Roteirista renomado e vencedor do Oscar por A Rede Social, Aaron Sorkin construiu uma sólida carreira na TV com as séries West Wing e The Newsroom. Seu estilo, inconfundível, traz diálogos ágeis em um ritmo verborrágico que também esteve nos bem-sucedidos longas O Homem que Mudou o Jogo e Steve JobsA Grande Jogada marca a sua estreia como diretor.

Após perder a chance de participar das Olimpíadas devido a um grave acidente, a esquiadora Molly Bloom (Jessica Chastain) decide tirar um ano de folga dos estudos e ir trabalhar como garçonete em Los Angeles. Lá ela conhece Dean Keith (Jeremy Strong), um produtor de cinema que decide contratá-la como assistente. Logo, Molly passa a coordenar jogos de cartas clandestinos, organizados por Dean, que conta com clientes ricos e famosos.

Criada por um pai exigente (Kevin Costner), Molly primeiramente focou sua energia no esporte com o objetivo de se tornar uma atleta olímpica, porém acabou se tornando uma simples secretária de um figurão de Hollywood.

Ao organizar jogos de pôquer promovidos por seu chefe, Molly usou de toda sua inteligência para aprender sobre o submundo da jogatina ilegal e fazer todos os contatos necessários para se tornar a maior organizadora de jogos de pôquer repletos de astros de Hollywood, além de magnatas e a máfia russa. Até ser pega pelo FBI.

Baseado na autobiografia da própria Molly Bloom, Sorkin traz, como esperado, sua marca registrada para o filme, ou seja, um texto extremamente bem escrito e didático e diálogos inteligentes, o que dá espaço suficiente para que a história seja bem desenvolvida. Assim, Sorkin não tem dificuldade na direção, entregando um trabalho que, se não é excepcional, ao menos cumpre aquilo que promete.

Quase todo narrado em off, o filme se destaca por ser protagonizado por uma das melhores atrizes da atualidade. Jessica Chastain vive a “princesa do pôquer” com a força de uma mulher única, daquelas que sabe o que quer e o que precisa fazer para alcançar seus objetivos.

Ao seu lado, o ótimo Idris Elba interpreta Charlie Jaffey, o advogado de Molly, em um personagem construído com o propósito de contestar a protagonista. Entre os coadjuvantes, Michael Cera aparece como o Jogador X apenas para representar o astro de Hollywood que dominava as noites de pôquer na época.

Em uma jornada sobre fracasso e sucesso, A Grande Jogada acerta com o carisma de Jessica Chastain e a estreia promissora do brilhante roteirista Aaron Sorkin como diretor. Um ótimo filme que vale a pena ser conferido.

Tags
Ver Mais

Déborah Schmidt

Administradora de empresas.

Conteúdos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close