BrasilCulturaHistórias TopOpiniãoPelotas

IPHAN tombou conjunto arquitetônico. Elevou doce ao status de patrimônio. E daí?

Pergunta o advogado Gustavo Jaccottet

O doce de Pelotas foi posto como Patrimônio Imaterial da União Federal, junto do conjunto arquitetônico da cidade, que foi alçado ao status de patrimônio tombado pelo IPHAN. Questiono: e daí? Fico pensando se os membros do IPHAN caminharam pelas ruas de Pelotas e viram o estado que alguns casarios se encontram. É triste, é lamentável.

Cito como primeiro exemplo o prédio à diagonal da Prefeitura Municipal, onde funcionava a Secretaria de Finanças. Vidros quebrados, fachada deteriorada pelo tempo e um profundo olhar de canto de olho por parte da Prefeitura, e não me refiro apenas à gestão atual, senão às anteriores, uma vez que o edifício está em situação calamitosa há alguns anos.

Fosse eu membro do IPHAN negaria para Pelotas a condição de ter o seu conjunto arquitetônico tombado por não haver zelo.

Como pode-se conjecturar que uma cidade da dimensão de Pelotas tenha uma poluição visual causada não só pelas placas e luminosos, mas também pela inexistência de um projeto consistente de iluminação pública, preferencialmente com a fiação totalmente subterrânea. Isto deveria estar presente em todo o centro da cidade, conquanto toda a parcela histórica da cidade agora está tombada nos registros do IPHAN.

Há outros fatores que eu poderia somar, tal como o “arranha céu” inacabado da Rua XV de Novembro, o Theatro Sete de Abril, dentre outros casarios espalhados pelo centro.

Claro, ficamos sempre com a cereja do bolo, ou, no nosso caso, com a cereja sobre um doce artesanal, cuja propriedade imaterial também passou a ser considerada patrimônio nacional, constando nos registros do IPHAN. Mas segue a pergunta: e daí?

Os doces na Fenadoce são mais caros do que os cobrados pelos mesmos doceiros no centro da cidade. Não existe uma cultura do doce tal como em outras cidades há a cultura do vinho, por exemplo.

PUBLICIDADE (Clique na imagem para visitar)

Chega a ser de doer pensar em ir até o Centro de Eventos da Fenadoce e pagar alguns centavos a mais, somando-se a isto o custo do ingresso.

Há quem me diga que o problema não são os doces, mas o interesse em se visitar os estandes da indústria e do comércio. Ora, penso eu, se o nome da Feira é Fenadoce, as estrelas deveriam ser os doces, ou estou errado?

Da mesma maneira há um problema a ser resolvido pela gestão pública. O primeiro é o desafio, quase que impossível, de tornar o doce de Pelotas como uma atração capaz de trazer turistas para a cidade.

Cito como paradigma uma iguaria da região da Provance, na França, chamada de Calisson. Trata-se de um doce em forma de losango, à base de castanhas e frutas cítricas. Seu processo é tão complexo que são poucos os doceiros de lá que conseguem produzir um Calisson ao mesmo tempo crocante por fora e macio por dentro e não é esta guloseima que leva os turistas para a região, pelo contrário, a atração são os vinhos, especialmente os Rosé.

Note o leitor que estou usando um exemplo isolado, a fim de comprovar que a cultura de um doce artesanal é difícil de alavancar o turismo como um todo.

Ela é um chamarisco, sim, é fato, mas não algo capaz de convencer uma família de Porto Alegre a pegar uma BR-116 cada vez mais perigosa, com obras inacabadas, pagar uma quantia alta de pedágio, sem contar o combustível, para vir a Pelotas e degustar dos doces.

Há de se explorar o turismo, todavia tento me colocar no lugar do turista quando ele está em frente ao Paço Municipal.

Se ele olhar levemente para a direta verá uma obra inacabada, a qual sequer deveria estar ali, pois estamos falando de um elefante branco no centro histórico de uma cidade cujo conjunto arquitetônico foi tombado pelo IPHAN. Quantas incongruências fáticas numa só oração.

O mesmo turista, se olhar para a sua esquerda, levará um susto ao notar que um dos casarios mais imponentes do centro histórico está jogado às traças. É lamentável, mas é a verdade.

Agora, há uma solução?

Sim, entregar todos os casarios para a iniciativa privada, com o compromisso de manter as suas fachadas intocadas.

Lembro bem que um dos grandes desejos do meu Pai era comprar um destes para fazer dele a sua morada. Infelizmente isto não seria possível numa cidade cujo pensamento é retrógrado, pois um tombamento não vai resolver o impasse do Sete de Abril, não vai atrair mais turistas para degustar os doces daqui, os quais julgo serem os melhores que já comi, e da mesma forma vai dificultar que entes privados façam uso dos prédios para finalidades próprias.

Tags
Ver Mais

Conteúdos Relacionados

4 Comentários

  1. Não sou conhecedor profundo, mas me parece que a vantagem de ser patrimônio nacional são os recursos facilitados pra restauros. Quanto à Fenadoce, é uma iniciativa privada. É o momento do ano em que as doceiras ganham dinheiro. É uma questão de mercado o valor praticado do doce. Se não desse certo, não estaria na 26ª edição. Poderia ser melhor? Com certeza. Mas aí, que surja algum empreendedor pra atuar no que acredita ou propor uma parceria, né?

  2. Corroboro a opinião do Daniel. E lembro que qualquer doce, bem fraquinho, aqui em Curitiba, custa em torno de R$ 5,00 a 6,oo. Portanto, nossos doces de Pelotas, não estão tá caros assim… Mas concordo totalmente com a questão da BR-116. Lamentável!

  3. Boa tarde Gustavo. Levantaste um ponto sobre a Fenadoce, com relação as mostras da Indústria e Comércio na feira. Trabalhei muito tempo em uma associação de criadores de gado, e frequentei muitas exposições por conta do serviço.
    Com isto reforcei uma idéia antiga: “O que realmente move as feiras, são os pavilhões de indústria e comércio.” O nome principal é apenas para diferenciar uma da outra. E são todas chatas e sem graça. Eu envolvia-me no meu serviço, e não via mais anda da feira. Podes visitar várias que existirem na região, e vais constatar o que escrevi. Quanto aos prédios, realmente sem comentários. É vergonhoso o que vemos.

  4. PELOTAS,segundo Lourenço Cazarré tem de melhor é seu povo,sua tradição.
    Também acho cosmopolita sem perder o charme.Mas,a deterioração do casario deve-se a uma política que deveria conserva-los.O Tombamento Histórico,joga uma luz sobre os demais.E quanto charme temos nesses casarões!
    Existe isenção para a conservação?um incentivo á conservá-los?
    Podemos começar a pensar num passeio cultural pelo circuíto dos casarões.Um muito da história vive ali.
    Podemos juntos cobrar isso das autoridades!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close