BrasilOpinião

Por nossas fraquezas

Os grandes aduladores do povo são os que menos respeitam o interesse comum

Renato Sant’Ana

Os grandes aduladores do povo são os que menos respeitam o interesse comum. Torcem a verdade para, driblando o discernimento das massas, alcançar seus objetivos egoístas. Exemplos não faltam.

O ex-presidente Lula, que cumpre pena por corrupção, da cadeia enviou carta aos prefeitos de Santa Catarina, reunidos em Florianópolis, para dizer que é candidato a presidente da República em 2018. E lascou uma das suas: “E se hoje eu sou candidato a presidente de novo, é porque na democracia quem decide os governantes é o povo”.

Sim, o povo decide. E cria suas leis por meio de representantes que, exercendo o poder por ele outorgado, legisla. E a Lei da Ficha Limpa – cuja proposição foi de iniciativa popular, frise-se! – impede a candidatura de quem teve condenação em órgão colegiado. É o caso de Lula. É só mais uma jogada suja, pois, propor que se rasgue a lei e que
se deixe às urnas decidir o futuro do condenado.

Wadih Damous: farsa da defesa do povo

Mas esse é um “modus operandi” conhecido. O deputado Wadih Damous (PT-RJ), por exemplo, representando a “farsa da defesa do povo”, tentou deslegitimar a Lei da Ficha Limpa, torcendo-lhe o sentido ao dizer: “Significa [a lei] que o povo não sabe escolher, quem sabe escolher é o Poder Judiciário.”

Quis fazer crer que a lei (que a população propôs e que Lula sancionou) trata o povo como “burro, que só escolhe corrupto” Wadih e Lula querem que seja o partido a ditar a lei.

Refrescando a memória

O PT nunca quis respeitar a soberania popular. Em 23/10/ 2005, houve o Referendo Nacional pelo Comércio de Armas e Munição. O povo foi às urnas para dizer “sim” ou “não”: devia o Estado proibir o comércio e, por conseguinte, o uso de armas? Embora haja sido esmagadora a propaganda pelo “sim” (com amplo apoio dos atores da Globo), venceu o “Não!”.

E o que fez o governo Lula? Mostrando que, para o PT, a vontade do povo não tem valor, ignorou o resultado das urnas e desarmou a população honesta, impondo a regra que interessava ao projeto petista.

Tem mais. Em 1988, através de circular, o Diretório Nacional do PT “justificou” a determinação de o partido rasgar a Constituição recém promulgada, alegando: “O PT, como partido que almeja o socialismo, é por natureza um partido contrário à ordem burguesa, sustentáculo do capitalismo. (…) rejeita a imensa maioria das leis que constituem a institucionalidade que emana da ordem burguesa capitalista, ordem que o partido justamente procura destruir”.

Tal disposição, de caráter totalitário, jamais foi revogada. Aliás, o PT nunca obedeceu à Constituição, exceto quando lhe convinha ou quando havia risco de levar a pior.

Esperteza populista

Desdenhar de tudo que foi feito por outros, diabolizar adversários e descrever um mundo caótico, eis a malícia do populismo revolucionário para enfeitiçar as massas, clicando nos botões dos anseios reprimidos e das frustrações mal resolvidas. O complemento é apresentar seus atores como guardiães da ética e inimigos da corrupção.

Lula, Zé Dirceu e Palocci, para citar só três cabeções do populismo petista, ficaram milionários no governo. Isso não diz alguma coisa?

Não basta, contudo, punir os atores por seus crimes: o elenco se renova e o espetáculo continua. Não surgirá uma nova classe política por geração espontânea. O eleitor é que precisa aprender a desconfiar de quem fala só o que ele gosta de ouvir. Senão, nada vai mudar!

Artigos relacionados

Um Comentário

  1. Parabéns ao Renato. A única coisa que o PT sabe fazer é enriquecer desocupados. Caras como Lula, Dirceu, Palocci, Dilma eram uns “pés rapados”, que não tinham onde cair mortos. Hoje todos são milionários, sem NUNCA ter trabalhado. Cadeia neles!…

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: