Cinema: Você nunca esteve realmente aqui

Joe (Joaquin Phoenix) é um veterano de guerra que vive com a mãe (Judith Roberts) e ganha a vida resgatando mulheres presas em cativeiros trabalhando como escravas sexuais. Em sua jornada, Joe irá descobrir que está no meio de uma conspiração ainda mais complexa e perigosa.

Baseado no livro do autor Jonathan Ames, Você Nunca esteve Realmente Aqui explora a brutalidade na vida de seu protagonista, contratado para resgatar menores de idade sequestradas por exploradores sexuais, entre elas a filha de um senador.

Conhecida pela fantástica adaptação do best-seller Precisamos Falar Sobre o Kevin, a aclamada diretora e roteirista Lynne Ramsay construiu um cinema particularmente marcante e intenso, sempre abordando temáticas pesadas. Se antes ela abordou a psicopatia de um adolescente, agora ela foca na vida do clássico arquétipo do assassino de aluguel.

Em Você Nunca Esteve Realmente Aqui, a violência é distante e perturbadora. É tudo muito seco, com a trama desenrolando-se de forma apática, assim como seu protagonista, sempre contemplativo e indiferente. Dele, conseguimos extrair poucas informações, como as lembranças traumáticas de seu passado familiar e os horrores vistos no tempo em que serviu no exército. Nesse sentido, Joaquin Phoenix é a alma do filme. É através da sua performance que o filme carrega toda a empatia por seu personagem. O ator entrega uma ótima atuação, sempre sutil e certeiro, mesmo nos momentos mais extremos.

Apresentando um incrível domínio estético, o filme destaca-se pela sua primorosa fotografia, inclusive com o uso de câmeras de segurança como elemento narrativo. Destaco, ainda, a ótima trilha sonora de Jonny Greenwood, guitarrista do Radiohead e um talentoso compositor, parceiro de Paul Thomas Anderson. Assistimos, de fato, uma obra surpreendente e com muita personalidade.

Duplamente premiado no Festival de Cannes como melhor ator e roteiro, o ritmo lento e dramático do primeiro ato logo assume um intrigante e violento suspense, digno de filmes como Taxi DriverOldboy e Drive. A fotografia voltada para o neon, aliada a uma trilha sonora frenética faz de Você Nunca Esteve Realmente Aqui uma verdadeira homenagem ao gênero.

Share:

Author: Montserrat Martins

Deixe uma resposta