Há um abismo entre o liberal-conservador e o reacionário

Não é novidade que o termo “conservador” vem sendo utilizado de forma pejorativa para qualificar determinado tipo de sujeito que apresenta visão monocular a respeito de temas como religião, costumes e gênero. Cuida-se de definição é bastante limitada e, por partir de premissas distorcidas, naturalmente atinge conclusões equivocadas.

Nesse contexto, a fim de evitar pobres associações, há de distinguir o pensamento liberal-conservador e o reacionário.

Em apertada síntese, reacionário é quem pretende resgatar tradições antigas e engessar quaisquer possibilidades de mudanças na sociedade, normalmente em benefício próprio, para preservar sua condição privilegiada.

O liberal-conservador, por outro lado, entende que os valores de determinado corpo social são dinâmicos e representam a cultura acumulada ao longo dos anos. Ou seja, as coisas são como elas são em razão da tradição das gerações passadas, que até aqui chegaram a partir de tentativas, erros e acertos.

Como dizia Edmund Burke, “o indivíduo é tolo e a espécie é sabia”. A sociedade não é constituída apenas pelos que estão vivos, mas também por aqueles que já partiram e necessariamente contribuíram para o atual estágio da cultura.

Nessa linha de raciocínio, desafia a própria lógica argumentar que um liberal-conservador é contra mudanças e/ou reformas. Em sentido contrário, ele acredita que as reformas devem ser lentas e naturais. Portanto, é anti-revolucionário e contra rupturas institucionais em favor de utopias.

Advém daí o respeito às instituições como a família, a religião e a moral judaico-cristã. Figuras caricatas que eventualmente se apropriam desse discurso não resumem a totalidade e complexidade do pensamento liberal-conservador, apesar de muitas vezes receberem a natural simpatia daqueles que também identificam a “crise de valores” como sintoma.

Murilo Colomby, 26, é advogado.

Share:

Author: Da Redação

2 thoughts on “Há um abismo entre o liberal-conservador e o reacionário

  1. As coisas sao o que elas sao, pois muitas vezes,mudar nao convém aos que estao no poder mudar, liberal na economia,conservador nos costumes!?

Obrigado por participar.