Dois pesos e duas medidas no Centro de Atenção ao Autista

Nesta segunda-feira chuvosa (1), Aline Bandeira, mãe de um garoto autista, entrou com o carro no estacionamento interno do Centro de Atenção ao Autista, em Pelotas. Mãe, filho e uma acompanhante do menino desceram do veículo. O garoto seguiu para o atendimento, Aline e a acompanhante se acomodaram no reservado de espera.

Cinco minutos depois, um funcionário veio até Aline dizer que ela retirasse o carro do estacionamento. Aline perguntou o motivo, o funcionário respondeu que a lei proíbe propaganda eleitoral dentro de repartições públicas.

O veículo dela trazia colado ao vidro um adesivo de Mateus Bandeira, candidato ao Piratini pelo Partido Novo.

Coincidentemente, Aline é irmã de Mateus Bandeira.

Embora contrariada com a determinação, dadas as circunstâncias (chuva e o comportamento instável do filho), ela obedeceu. Retirou o carro, estacionando-o relativamente longe do prédio do Centro de Atenção, na rua.

No fim do atendimento, o filho e a acompanhante tiveram de enfrentar chuva até chegar ao carro na rua, e o risco de que o garoto, pela condição de saúde, se abalasse entre os carros transitando na via.

Dois pesos e duas medidas

Agora um exemplo oposto: aberta a campanha eleitoral, o candidato Eduardo Leite, acompanhado da prefeita Paula Mascarenhas, do candidato Alckmin e de membros da equipe da campanha eleitoral estiveram no interior do Centro de Atenção ao Autista, gravando cenas no interior do prédio, cenas que foram usadas na propaganda eleitoral de Eduardo Leite.

Nessa vez, a prefeita Paula ignorou a lei, ferindo-a despudoradamente para atingir um interesse pessoal e partidário dos tucanos, em nome da conveniência pessoal e partidária, já que ela e Leite conhecem a lei.

Mesmo conhecendo, eles a desrespeitaram conscientemente, sem dar importância às consequências legais de seus atos, que – diga-se de passagem – vieram.

Da conveniência pessoal e eleitoral, a prefeita Paula passou a outro extremo: o rigor legal exagerado contra pais de autistas, desconsiderando inclusive as circunstâncias de chuva e dos fatores de risco comportamental dos autistas, obrigados a caminhar sob chuva, em meio ao trânsito, até chegarem aos carros que os transportam.

Os dois episódios, por si só e combinados, são uma prova do que pode ser a ambição ‘desumana’ pelo poder.

Share:

Author: Da Redação

1 thought on “Dois pesos e duas medidas no Centro de Atenção ao Autista

  1. Nossa, acho uma boa oportunidade para esclarecer a legislação. Conheço pouco dela, mas acho que não era para tanto. Então carros que estão dentro de estacionamentos de órgãos públicos mesmo que seja destinado aos clientes (estes não sendo funcionários) não podem estar ali estacionados por conterem adesivos de candidatos?

Deixe uma resposta