Connect with us
https://www.mvpthemes.com/zoxnews/wp-content/uploads/2017/07/zox-leader.png

Brasil & Mundo

Os apelos psicológicos

Published

on

As propagandas eleitorais são apelos psicológicos aos eleitores para lhes infundir medo nos candidatos adversários, mais que apontar virtudes do próprio candidato. No whatsapp e outras redes sociais, infundir o medo é a prática principal dos candidatos a presidente, e em algum grau também nas campanhas estaduais.

A preponderância do “falar mal do outro” sobre o “falar bem de si” vem do descrédito na política, onde é difícil acreditar em virtudes, sendo mais fácil acreditar em maldades. E não bastassem vários absurdos já ditos pelos próprios candidatos, vídeos apelativos com todo tipo de fake news seguem prosperando.

Essa eleição de 2018 consagrou o poder do whatsapp e minimizou a influência da TV e da própria imprensa, visivelmente menos influentes que as redes de transmissão de vídeos pelo zap. E o teor desses, sem dúvida, foi o de aterrorizar as pessoas com as “maldades” – reais ou imaginárias – do “outro lado”.

O que vem depois disso? Como se governará um país dividido? Qual a postura dos novos governantes em relação às diferenças de opinião que existem hoje na sociedade?

O que se espera, num país democrático, é que o conjunto da população respeite o resultado das urnas e que os governantes, por sua vez, respeitem o pleno funcionamento das instituições. Nestas se incluem parlamentares das oposições e lideranças da sociedade civil, além dos representantes das demais instituições (além do Executivo), às quais cabem o papel de fiscalizar a transparência dos atos dos novos governantes, dentro dos limites legais.

Se não houvessem vozes contrárias seria muito fácil governar qualquer entidade, mas sabemos que até uma reunião de condomínio é complicada. A capacidade de liderar um país-continente, de mais de 200 milhões de habitantes, portanto, dependerá de um respeito ao conjunto da sociedade, que vai muito além dos simpatizantes dos eleitos.

O melhor que se pode esperar dos novos governantes é o chamado “espírito republicano”, que se refere à consciência de governar a “coisa pública” (“res publica”) para todos e, portanto, não só para os seus correligionários.

A partir do momento da eleição, deveriam cessar os ataques aos adversários e o conjunto dos eleitores deveriam ser respeitados, sejam quais tenham sido as suas preferências. Isso de todas as partes, com os derrotados reconhecendo a vitória da outra parte e dos vitoriosos respeitando os adversários e se comprometendo a governar para todos. Será possível isso, após a “guerra eleitoral” de 2018 ? Para o bem do Brasil, é hora das apelações psicológicas serem sucedidas por, em vez de enfrentar adversários, informações úteis para enfrentar os problemas do país.

Click to comment

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.

Brasil & Mundo

Bolsonaro testa negativo para covid

Published

on

Bolsonaro testou negativo para Covid-19.

O resultado saiu neste domingo, após cinco dias de isolamento social, por orientação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O resultado do exame libera o presidente a cumprir agenda comemorativa em razão dos 1000 dias de mandato.

Na segunda, Bolsonaro deve celebrar a data com a inauguração de trecho de 10 quilômetros de asfalto.

PUBLICIDADE: Aurora, novo empreendimento da Idealiza Cidades no Parque Una

Continue Reading

Brasil & Mundo

Auxiliares preocupados com tosse de Bolsonaro

Published

on

Auxiliares presidenciais estão preocupados com a saúde de Jair Bolsonaro, segundo a Veja. Desde que voltou de Nova York, onde participou da Assembleia-Geral da ONU, ele “anda tossindo mais do que o de costume”.

Casos de Covid-19 na comitiva presidencial que foi aos EUA têm aparecido e, por esta razão, Bolsonaro deve fazer um novo teste PCR neste fim de semana.

Continue Reading

Brasil & Mundo

Microempreendedores têm menos de uma semana para regularizar dívidas

Published

on

Termina na próxima quinta-feira (30) o prazo para os microempreendedores individuais (MEIs) regularizarem o pagamento dos impostos devidos desde 2016 ou há mais tempo. Caso não quitem os tributos e as obrigações em atraso ou não parcelados, os MEIs serão incluídos na Dívida Ativa da União. A inscrição acarreta cobrança judicial dos débitos e perda de benefícios tributários.

De acordo com a Receita Federal, os MEIs que tiverem apenas dívidas recentes, em razão das dificuldades causadas pela pandemia de covid-19, não serão afetados. Também não serão inscritas as dívidas de quem realizou parcelamento neste ano, mesmo que haja alguma parcela em atraso ou que o parcelamento tenha sido rescindido.

Os débitos sob cobrança podem ser consultados no Programa Gerador do DAS para o MEI. Por meio de certificado digital ou do código de acesso, basta clicar na opção “Consulta Extrato/Pendências” e, em seguida, em “Consulta Pendências no Simei”. O Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS) para quitar as pendências pode ser gerado tanto pelo site quanto por meio do Aplicativo MEI, disponível para celulares Android ou iOS.

Ainda é possível fazer o pagamento ou parcelamento das dívidas acessando o Portal e-CAC. O passo a passo sobre o parcelamento também está disponível no Portal Gov.br.

De acordo com a Receita, existem 4,3 milhões de microempreendedores inadimplentes, que devem R$ 5,5 bilhões ao governo. Isso equivale a quase um terço dos 12,4 milhões de MEIs registrados no país. No entanto, a inscrição na dívida ativa só vale para dívidas não quitadas superiores a R$ 1 mil, somando o valor principal, multa, juros e demais encargos. Atualmente, o Brasil tem 1,8 milhão de microempreendedores nessa situação, que devem R$ 4,5 bilhões.

Para ajudar na regularização, a Receita Federal disponibiliza os núcleos de Apoio Contábil e Fiscal (NAF), uma parceria com instituições de ensino superior que oferece serviços contábeis e fiscais a pessoas físicas de baixa renda, MEIs e organizações da sociedade civil.

Durante a pandemia, também há núcleos operando de forma remota. Os locais de atendimento e os respectivos contatos estão disponíveis na página da Receita Federal.

Dívida ativa

Com um regime simplificado de tributação, os MEIs recolhem apenas a contribuição para a Previdência Social e pagam, dependendo do ramo de atuação, o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ou o Imposto sobre Serviços (ISS). O ICMS é recolhido aos estados e o ISS, às prefeituras.

Em caso de não pagamento, o registro da dívida previdenciária será encaminhado à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), para cobrança na Justiça, com acréscimo de 20% a título de encargos com o processo. Nesse caso, os débitos poderão ser pagos ou parcelados pelo portal de serviços da PGFN, o Regularize.

A dívida relativa ao ISS e/ou ao ICMS será transferida ao município ou ao estado, conforme o caso, para inscrição em Dívida Ativa municipal e/ou estadual. O MEI terá de pagar multas adicionais sobre o valor devido, de acordo com a legislação de cada ente da Federação.

Com a inscrição em dívida ativa, o microempreendedor deixa de ser segurado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e perde benefícios como auxílio-doença e aposentadoria; tem o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) cancelado; é excluído do Simples Nacional pela Receita Federal, estados e municípios, que têm alíquotas mais baixas de imposto; e pode ter dificuldades para conseguir financiamentos e empréstimos.

Continue Reading

Em alta