Brasil

Moro aceita convite de Bolsonaro para comandar o Ministério da Justiça

O juiz federal Sérgio Moro aceitou nesta quinta-feira (01/11) o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para assumir o comando do Ministério da Justiça. Leia no final a nota oficial do juiz.

Responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, Moro se reuniu com Bolsonaro na casa do presidente eleito, no Rio de Janeiro, para discutir a possibilidade de assumir a pasta.

Após a reunião, Moro disse em nota estar “honrado” com o convite e que aceita o cargo com “certo pesar”, pois terá abandonar seus 22 anos de magistratura.

“A perspectiva de implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado, com respeito à Constituição, a lei e aos direitos, levou-me a tomar esta decisão. Na prática, significa consolidar os avanços contra o crime e a corrupção dos últimos anos e afastar riscos de retrocessos por um bem maior”, afirmou Moro.

“A Operação Lava Jato seguirá em Curitiba com os valorosos juízes locais. De todo modo, para evitar controvérsias desnecessárias, devo desde logo afastar-me de novas audiências”, disse.

Bolsonaro havia declarado sua intenção de convidar Moro para ser ministro da Justiça ou para uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF) em várias entrevistas concedidas à imprensa nesta segunda-feira, um dia após ser eleito.

“Ele é uma pessoa excepcional, que goza de um respaldo muito grande da população e tem conhecimento”, declarou após o pleito. “É uma pessoa que merece ser reconhecida por seu trabalho, e nós sabemos que, vindo para o governo, ele fará valer todo o seu conhecimento para o bem do nosso Brasil.”

Citado pela Folha de S. Paulo nesta quinta-feira, o vice de Bolsonaro, general Hamilton Mourão, a primeira conversa com Moro aconteceu há algumas semanas. “Isso já faz tempo, durante a campanha foi feito um contato”, disse. Segundo Mourão, o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, contatou o juiz.

Antes de anunciar que aceitaria o convite, Moro foi criticado pela possibilidade de assumir o cargo de ministro da Justiça. Ciro Gomes, que concorreu à Presidência pelo PDT, classificou Moro de “aberração de toga”.

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva citou nesta quarta-feira a possível presença de Moro no governo Bolsonaro para alegar a parcialidade do juiz, responsável pela condenação do petista na primeira instância da Operação Lava Jato.

O juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba não declarou preferência em relação ao candidato do PSL durante a corrida eleitoral, mas interlocutores afirmam que ele enxergava pontos positivos na campanha de Bolsonaro e também temia a volta do PT ao poder.

Após a eleição, Moro parabenizou o presidente eleito pela vitória e desejou que ele faça um bom governo. “São importantes, com diálogo e tolerância, reformas para recuperar a economia e a integridade da Administração Pública, assim resgatando a confiança da população na classe política”, ressaltou o juiz em nota.

Nota oficial

Fui convidado pelo Sr. Presidente eleito para ser nomeado Ministro da Justiça e da Segurança Pública na próxima gestão. Apos reunião pessoal na qual foram discutidas politicas para a pasta, aceitei o honrado convite. Fiz com certo pesar pois terei que abandonar 22 anos de magistratura. No entanto, a perspectiva de implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado, com respeito à Constituição, a lei e aos direitos, levaram-me a tomar esta decisão. Na prática, significa consolidar os avanços contra o crime e a corrupção dos últimos anos e afastar riscos de retrocessos por um bem maior. A Operação Lava Jato seguira em Curitiba com os valorosos juízes locais. De todo modo, para evitar controvérsias desnecessárias, devo desde logo afastar-me de novas audiências. Na próxima semana, concederei entrevista coletiva com maiores detalhes.

Curitiba, 01 de novembro de 2018.

Sergio Fernando Moro

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: