Connect with us

Brasil & Mundo

Numa eleição, como em uma guerra, tirando a morte, tudo é bom. O problema vem depois

Publicado

on

O momento posterior ao final dos grandes eventos, como uma Copa do Mundo, uma eleição, como a que tivemos há pouco, é um pouco triste – algo como o fim do ato sexual, quando os amantes se estiram na cama e acendem um cigarro.

Hoje, em vez de fumar tabaco, consultam o whatsapp por um instante, mas o clima é o mesmo: tudo fica mais lento, submergimos numa suave melancolia, como quando voltamos sozinhos de uma festa.

Talvez a maioria se sinta assim, mesmo os candidatos que vencem, pois de repente acaba aquela sensação de presente perene, de tempo suspenso e de expectativa que uma campanha eleitoral incute.

Não é exagero dizer que o clima de uma eleição é um pouco o de uma guerra, no sentido do “prazer”.

Outro dia deparei com uma observação curiosa, mas verdadeira, como podemos deduzir, nós que acabamos de viver uma eleição conflagrada como nunca. “Uma das coisas mais odiosas de uma guerra é que, exceto a morte, tudo nela é bom”.

Sem sombra de dúvidas, pode-se dizer o mesmo de uma eleição.

Publicidade

Numa eleição, como numa guerra, por um período, as diferenças cedem lugar a alianças em torno de um objetivo comum – “derrotar o inimigo”.

É uma espécie de game que anima as pessoas, dá-lhes paixão pela expectativa, fazendo-as esquecer de seus problemas. Temos a sensação de que, ao optarmos por um lado, nossa identidade é reforçada e nossa vida vale um pouco mais do que a vida que levamos, muitas vezes anônimos, num cotidiano maçante.

O problema é que, como na guerra, quando uma eleição termina, há um vencedor apenas e, infelizmente, sempre restam alguns corpos e grandes esperanças perdidas pelo caminho, entre os escombros de fato ou simbólicos.

Quando os confrontos acabam, o vitorioso faz o discurso clássico de “união” por algo maior, em nome de um país, de uma cidade. É então hora de voltar à realidade, pegar no pesado de novo, os problemas continuam lá, contas a pagar. Por isso, lá no fundo, creio, perdedores e vencedores sentem uma certa tristeza na hora de recolher as armas.

Curiosamente, no fim dos confrontos, como do orgasmo, a aparente dissolução das diferenças sociais e individuais, aquela comunhão que une as mentes e os corpos no intercurso, deixa de existir. Então, todo o frenesi daquele que se entregou ao encontro com o outro retorna ao ponto de partida, como quem acorda depois de fazer amor.

Como diz o ditado, dormindo, o homem é um rei; acordado, é um mendigo.

Nos dias seguintes, porém, como ainda agora, sobrevive na memória aquele momento maravilhoso da “guerra”, em que acreditamos, mesmo por ilusão, que “lutávamos” por algo superior às nossas pequenas ambições terrenas.

Publicidade

Jornalista. Editor do Amigos. Ex-funcionário do Senado Federal, do Ministério da Educação e do jornal Correio Braziliense. Prêmio Esso Regional Sul de Jornalismo. Top Blog. Autor do livro Drops de Menta.

Publicidade
Clique para comentar

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor.

Brasil & Mundo

Doria vence as prévias do PSDB

Doria teve 53,9% dos votos. Leite, 44,6%. Virgílio, 1,35%.

Publicado

on

Atualizado: 19h25 de 27/11

João Doria foi o vencedor das prévias do PSDB para concorrer à Presidência da República. O resultado foi divulgado no começo da noite deste sábado, 27.

Dos 44,7 mil filiados habilitados para votar, cerca de 30 mil votaram, contando as votações de domingo passado e deste sábado.

Com mais de 50% dos votos, o governador de São Paulo derrotou Eduardo Leite e Arthur Virgílio Neto.

Doria teve 53,9% dos votos. Leite, 44,6%. Virgílio, 1,35%.

Agora Doria iniciará a pré-campanha e decidirá apenas no ano que vem se vai de fato entrar na corrida eleitoral (pode o PSDB decidir compor com outro candidato).

Publicidade

Doria começou a campanha como favorito, perdeu força no caminho. Leite ganhou apoio de Aécio Neves, em Minas Gerais, e Geraldo Alckmin, em São Paulo.

Leite equilibrou a disputa e, em certo momento, foi tratado como o novo favorito.

Continue Reading

Brasil & Mundo

Holanda analisa 61 casos suspeitos de nova variante

Viajantes foram diagnosticados em voo proveniente da África do Sul

Publicado

on

A República Tcheca e a Alemanha anunciaram neste sábado (27) que investigam suspeitas de casos da nova variante do SARS-CoV-2, a Ômicron. Na Holanda, nesta manhã, chegaram por via aérea 61 pessoas com covid-19 vindas da África do Sul – país onde a cepa foi inicialmente detectada. Autoridades holandesas analisarão se estes passageiros estão infectados com a Ômicron.

Na sexta-feira (26) foi detectado, na Bélgica, o primeiro caso da nova variante em solo europeu – uma jovem adulta sem qualquer ligação com a África do Sul ou países da África Austral, mas que manifestou sintomas 11 dias depois de viajar entre a Turquia e o Egito.

Um dia depois, a República Tcheca e a Alemanha registam os primeiros casos suspeitos desta variante, também conhecida por B.1.1.529.

“Um laboratório está avaliando a possível descoberta de um espécime da variante Ômicron. Estamos aguardando confirmação ou refutação do caso”, informou neste sábado a porta-voz do Governo tcheco, Stepanka Cechova.

Segundo o Instituto Nacional de Saúde Pública da República Tcheca, o passageiro suspeito visitou a Namíbia.

A Alemanha avalia, ainda, o caso de um viajante vindo da África do Sul. Apesar de não ter se confirmado, o caso gerou alarde no governo alemão.

“A variante Ômicron provavelmente já está presente na Alemanha”, anunciou nesta manhã no Twitter Kai Klose. “Por causa dessa forte suspeita, essa pessoa está isolada em casa. A análise completa dos resultados ainda está em andamento”, disse o ministro.

Publicidade

Os testes realizados na noite de sexta-feira a um passageiro que chegou ao aeroporto de Frankfurt, oriundo da África do Sul, revelaram “várias mutações típicas do Omicron”, acrescentou.

Na Holanda, pelo menos 61 passageiros de dois voos da África do Sul testaram positivo para a covid-19 na chegada a Amsterdã. As autoridades sanitárias analisam se há entre os casos algum da nova variante Ômicron.

“Sabemos agora que 61 dos resultados [dos testes ao novo coronavírus] foram positivos e 531 negativos”, indicou a autoridade de saúde holandesa (GGD), acrescentando que os passageiros com teste positivo, que chegaram todos na sexta-feira, foram colocados em quarentena num hotel perto do aeroporto Schiphol, em Amsterdã.

Os que tiveram resultado negativo podem continuar viagem caso não residam na Holanda. Caso contrário, terão de ficar em isolamento profilático nas suas residências.

“Os testes positivos vão ser agora analisados para determinar o mais rápido possível se se trata da nova variante”, acrescentaram as autoridades sanitárias holandesas.

A nova variante do coronavírus, detectada pela primeira vez na África do Sul, é considerada “preocupante” pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Publicidade
Continue Reading

Brasil & Mundo

Reino Unido tem casos da variante Ômicron e impõe restrições de voo

Cientistas tentam entender as mutações da variante e se as vacinas e os tratamentos existentes são eficazes contra ela

Publicado

on

Austrália e vários outros países se juntaram a nações que impuseram restrições a viagens partindo do sul da África neste sábado, depois que a descoberta da nova variante Ômicron gerou preocupação global e desencadeou uma onda de vendas de ativos nos mercados financeiros.

Mas indicando que tais restrições podem não conter a disseminação da variante, o Reino Unido informou neste sábado que detectou dois casos e autoridades na Alemanha e na República Tcheca também afirmaram ter suspeitas de casos.

A ômicron, classificada como “variante de preocupação” pela Organização Mundial da Saúde, é potencialmente mais contagiosa que as variantes anteriores da doença, embora especialistas ainda não saibam se ela causará uma doença mais ou menos grave em comparação com outras cepas de coronavírus.

A variante foi descoberta pela primeira vez na África do Sul e, desde então, também foi detectada na Bélgica, Botswana, Israel e Hong Kong.

As autoridades holandesas disseram que 61 das cerca de 600 pessoas que chegaram a Amsterdã em dois voos da África do Sul na sexta-feira testaram positivo para o coronavírus. As autoridades de saúde estão realizando mais testes para ver se esses casos envolvem a nova variante.

Uma passageira que chegou da África do Sul na sexta-feira, a fotógrafa holandesa Paula Zimmerman, disse ter testado negativo, mas estava ansiosa com os dias que viriam, depois de passar horas em um voo que provavelmente tinha muitos passageiros infectados.

“Disseram-me que a expectativa é que mais pessoas tenham teste positivo depois de cinco dias. É um pouco assustador a ideia de que você esteve em um avião com muitas pessoas com teste positivo”, disse ela.

Publicidade

Pode levar semanas para os cientistas entenderem completamente as mutações da variante e se as vacinas e os tratamentos existentes são eficazes contra ela. Ômicron é a quinta variante de preocupação designada pela OMS.

Continue Reading



Publicidade
Publicidade

Mais lidas em sete dias