A doença como metáfora

Análise profunda sobre como doenças graves (câncer, AIDS) são vistas em nossa cultura, “A doença como metáfora”, de Susan Sontag, deveria ser lido por todos que se interessam em compreender o ser humano e a sociedade.

Carregado de conotações pejorativas no imaginário popular, suscita crenças milenares que vão do “castigo divino” até interpretações do tipo “alguma ele fez”, conotações que culpam o doente pela doença, para alívio psicológico dos que não a tem.

O outro lado da moeda é a evocação de estados patológicos como defesa para condutas ilícitas, numa ampla gama de comportamentos previstos juridicamente, que vão desde atos cometidos “sob violenta emoção” até a alegação de insanidade mental para desculpabilizar o réu, dos quais o argumento preferido é o do “estado de insanidade temporária”.

Nesse “outro lado” é que se tenta entender, agora, qual a relação entre as condutas do ex-assessor Queiroz e a grave doença (câncer) que ele enfrenta atualmente. Pois, em suas declarações, o mesmo afirma que logo após se tratar dará as explicações devidas sobre as suas movimentações financeiras de mais de 1,2 milhão, incompatíveis com sua renda e envolvendo valores de vários outros assessores que trabalhavam junto com ele. Porque a doença impediria, desde já, o esclarecimento dos fatos?

O motivo de arrecadar dos colegas, o destino do dinheiro, tudo isso pode ser informado em poucas frases tais como a alegação inicial de que fazia “negócios com automóveis”. Estar num leito de hospital não impede de falar, aliás, deveria ser fator de alívio esclarecer logo tudo isso. Queiroz tem falado, aliás, mas apenas para alegações de que “depois” vai falar e que está “sendo tratado como o pior bandido do mundo” e que há pessoas duvidariam de sua doença. Disse ele: “Estou muito a fim de esclarecer tudo isso, mas não contava com essa doença. Nunca imaginei que tinha câncer”.

A disposição em relatar detalhes da própria doença (relatou sangramentos, exames, cirurgia, etc) não poderia ser empregado em informações que a sociedade demanda do que, afinal, foi feito com o dinheiro arrecadado dos demais servidores? Pois a impressão que fica é que os valores que movimentava dos demais assessores tinham finalidade política mesmo, tal como exigir parte dos salários para financiamento de campanha, prática corrente nos bastidores da política. Ou será que quando Queiroz nos diz que não pode falar agora “por causa do câncer” está falando por metáforas, se referindo ao “câncer” do sistema político brasileiro?

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.