Filme coreano “Em Chamas”, candidato ao Oscar

Jong-soo (Yoo Ah-In) é um entregador pobre e solitário que reencontra Hae-mi (Jeon Jong-Seo), uma antiga amiga de infância. Ela está com uma viagem marcada para a África e pede para Jong-soo cuidar de seu gato de estimação enquanto está longe. Quando retorna, Hae-mi está acompanhada do misterioso Ben (Steven Yeun, excelente).

Adaptação do conto “Queimar Celeiros”, do escritor japonês Haruki Murakami, Em Chamas é dirigido e roteirizado por Lee Chang-Dong, que explora, nos mínimos detalhes, muitos gêneros em uma história cativante. A longa narrativa desenvolve cada personagem e a relação do trio com perfeição, dando força para criar elementos que darão força ao seu inevitável desfecho.

Com sutileza, o filme utiliza a primeira metade das quase duas horas e meia de duração para estabelecer os personagens e suas motivações. Presenciamos, então, a aproximação dos três, em uma trama aparentemente sem conflitos, a não ser a sugestão de um triângulo amoroso.

Assistimos ao contexto na qual Coreia do Sul está inserida, com sua desigualdade social e modos de vida. Compreendemos também a questão financeira dos personagens, onde dois deles são pobres e o outro rico, o que leva a uma tensão imediata, além de temas como o distanciamento dos pais e a sensação de abandono. A amizade entre eles é construída em uma mistura de ciúme e inveja. De fato, Jong-soo, Hae-mi e Ben possuem uma construção emocional riquíssima.

Na trama, os três acabam criando uma relação de intimidade até que Ben, durante uma conversa descontraída, revela um hobby peculiar, deixando Jong-soo intrigado. Esta revelação será determinante para o observador e sensível Jong-soo, que terá sua estabilidade emocional abalada.

Complexo e persuasivo

Com isso, o longa assume camadas de complexidade, marcado por sequências avassaladoras, como na belíssima sequência em que Hae-mi dança seminua no quintal da casa de Jong-soo durante o pôr do sol. Após a confissão de Ben e a ausência de Hae-mi, revela-se o comportamento obsessivo do protagonista, que passa a tentar solucionar o mistério com as pequenas pistas deixadas por Ben.

O filme torna-se excepcional graças ao poder da sugestão. Cena após cena, temos a impressão de que algo grave aconteceu ou está prestes a acontecer. O suspense asfixiante é construído de forma magistral através de longos planos-sequência, com luz natural e câmera na mão, destacando uma aparência de realismo.

Vencedor do prêmio da crítica internacional no Festival de Cannes e representante da Coreia do Sul para uma vaga a melhor filme estrangeiro no Oscar, Em Chamas apresenta um final catártico e poderoso. Misturando drama e suspense, é uma obra complexa e cheia de significados.

Author: Deborah Schmidt

Obrigado por participar.