Coletivo Juntos denuncia racismo de alunos do IFSul

Nós, do Coletivo Juntos Pelotas, vemos por meio desta manifestar apoio à uma de nossas militantes que está sendo vítima de racismo em rede de WhatsApp de uma turma do Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas.

Ressaltamos que todas as medidas cabíveis foram tomadas no sentido de cobrar manifestação e ações concretas da reitoria do IF-Sul.

Esta não é a primeira vez e tão pouco o primeiro caso de racismo no interior do IF-Sul Pelotas da qual tomamos conhecimento. Não é possível que tais casos persistam em completo anonimato, sendo abafados pela administração.

Pelotas tem a maior população negra do Estado do Rio Grande do Sul, a maioria das/os estudantes das escolas públicas são negras/os.

Mesmo assim são minoria em escolas cuja entrada se da por meio de processos seletivos como é o caso do IF-Sul. Essa é uma das características injustas desse sistema.

A maior parte das/os estudantes negras/os são filhos das camadas mais populares da sociedade, portanto vinculados, em sua grande maioria, às escolas públicas, que sofrem com o sucateamento marcante do abandono da educação por parte de sucessivos governos estadual e municipal.

Esta discrepância no acesso gera turmas majoritariamente compostas por pessoas brancas, não raramente formando um ambiente em que as/os estudantes negras/os enfrentam todo tipo de conservadorismo e preconceito que muitas vezes são travestidos de brincadeiras e que provém das mesmas pessoas que dizem que nossas reivindicações são “mimimi”.

Em uma conjuntura política onde vemos os representantes do poder central deslegitimar a luta anti-racista ao ser parte integrante daqueles que, despreocupadamente, fazem afirmações racistas, não podemos definitivamente nos calar frente à ataques sérios como os das imagens.

Nossas fileiras contam com mulheres negras que empunham a luta anti-racista. E essa luta é de todas e todos que seguram a nossa bandeira.

Por fim afirmamos que defendemos que não haverá transformação alguma na sociedade, sem a superação de valores estruturais, que são reproduzidos cotidianamente, como o racismo, o machismo e a homofobia.

“Companheira me ajuda
Que eu não posso andar só,
Eu sozinha ando bem
Mas com você ando melhor.”
Estamos Juntos e não arredamos!

Coletivo Juntos

 

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.