Reitor Pedro Hallal é chamado no MP para esclarecer denúncias de assédio moral

O reitor da Universidade Federal de Pelotas, Pedro Hallal, foi chamado no Ministério Público Federal para prestar esclarecimentos sobre denúncias de assédio moral na Universidade.

O reitor já compareceu ao MP para uma reunião com o procurador da República Max Palombo.

“Fui chamado de fato, há umas três semanas, e prestei informações sobre a postura institucional no sentido de averiguar os casos”, disse Hallal. “No momento eu não posso falar sobre os procedimentos, pois obedecem à sigilo até a conclusão”, acrescentou.

Veja abaixo alguns exemplos de reclamações de assédio moral que vêm sendo feitas por funcionários da UFPel (da atual gestão) ao MP, duas delas em investigação administrativa na UFPel, conforme admitiu o reitor Pedro Hallal.

Há outros casos. Mais de dez pessoas estão formalizando suas queixas no Ministério Público contra dirigentes da Universidade.

Exemplos de denúncias:

  1. Invenção de histórias sobre os servidores para mantê-los escanteados.
  2. Não cumprimentar.
  3. Pedir aos colegas das vítimas de bulling para não cumprimentá-las, acentuando o isolamento.
  4. Dar tarefas fora das atribuições.
  5. Cobrar resultados incompatíveis e depois reclamar de incompetência.
  6. Ameaçar frontalmente. Exemplo relatado: “Sou da área de informática e sei tudo que acontece aqui dentro; tenho essa caneta aqui, que é da Nasa, e posso ouvir e gravar tudo”.
  7. Rir na cara da vítima.
  8. Fazer sumir documento da mesa de funcionário para a pessoa ficar com medo de ser processada pela “perda”.
  9. Desmerecer o trabalho.

Leia mais sobre o caso aqui.

Pedro Hallal: esclarecimentos

Assédio moral (casos UFPel) é um atentato à dignidade

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.