Promotor crê que amizade entre acusado de assédio e reitoria impedirá punição de denunciado

O procurador da República Max Palombo disse nesta quinta-feira (22) ao Amigos de Pelotas que colheu mais de uma dezena de testemunhas e vítimas de assédio moral na Universidade Federal, que classifica a situação como gravíssima e que por isso o Ministério Público Federal e o Ministério Público do Trabalho recomendaram que fosse aberto procedimento administrativo disciplinar contra o servidor e seu consequente afastamento, em função da reiteração das condutas.

Informou ainda que há uma proximidade muito grande, inclusive de ordem pessoal, entre o servidor e o atual ocupante do cargo de reitor (Pedro Hallal). E que, por tal motivo, até agora o gerente não foi objeto sequer de advertência por parte da Universidade Federal de Pelotas, apesar das inúmeras denúncias.

O procurador acredita que, pela proximidade do investigado com integrantes da cúpula da UFPel, é muito difícil de ser implementadas medidas administrativas pela Universidade e pela EBSERH recomendadas pela Procuraria da República.

Vice-reitor da UFPel diz que não pode falar sobre casos de assédio

Procuradoria recomenda afastamento de gerente administrativo da UFPel

Assédio moral na UFPel. Alguns exemplos de bulling administrativo denunciados

Funcionários da UFPel denunciam assédio moral

https://amigosdepelotas.com.br/2019/02/22/assedio-moral-casos-ufpel-e-um-atentado-a-dignidade-humana/

Reitor Pedro Hallal é chamado no MP para esclarecer denúncias de assédio moral

© Rubens Spanier Amador é jornalista.

Facebook do autor | E-mail: rubens.amador@yahoo.com.br

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.