Deputado do PSL vira réu por suspeitas de caixa 2

Nereu ao lado de Mourão, que não tem nada que ver com o peixe

Nereu Crispim, que foi eleito à Câmara Federal, é alvo de ação de impugnação de mandato no TRE por suposto abuso de poder econômico, omissão de receitas e despesas e captação ilícita de votos

Nereu Crispim foi eleito deputado federal pelo PSL com 32,2 mil votos, sendo o terceiro integrante da bancada gaúcha da sigla
TSE / Divulgação

Eleito deputado federal com 32,2 mil votos, Nereu Crispim (PSL) se tornou réu em ação de impugnação de mandato eletivo (Aime) que tramita no Tribunal Regional Eleitoral (TRE). O caso transcorre em sigilo, mas versa sobre suposto abuso de poder econômico, omissão de receitas e despesas na campanha e captação ilícita de votos. Uma das suspeitas em apuração é de que Crispim, empresário da Região Metropolitana, tenha usado contas bancárias de laranjas para distribuir recursos a pelo menos um candidato a deputado estadual do PSL com quem ele fez dobradinha, o que poderia configurar esquema de caixa 2.

A ação foi protocolada no dia 7 de janeiro de 2019 por Marco Marchand (PSL), colega de partido de Crispim e segundo suplente de deputado federal da coligação. Ao fazer a análise prévia dos documentos juntados, o TRE deu andamento à ação e Crispim se tornou réu. O relator do caso é o desembargador eleitoral João Batista Pinto Silveira.

Por Gaúcha ZH

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.