QUAL O PREÇO DE SER UM EMPRESÁRIO?

Pensar, organizar, estar cansado de ser um empregado, ousar e “ir em frente”: estes parecem ser os primeiros passos, talvez não nessa mesma ordem, para que você se torne um empresário.

Logo, você já está criando o seu Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). É exatamente neste instante, que você mergulha no “atrativo” mercado, desta vez, como um empresário. A partir de agora, tenha muito cuidado, pois você já começará a ser analisado de forma diferente; para o bem e para o mal.

Construir uma empresa, não é apenas levantar algumas paredes. Você precisa entender que outras dificuldades aparecerão. O seu negócio terá a sua cara, o seu conceito e andará conforme a sua música. Se você for uma pessoa correta e ética, o seu empreendimento, assim deverá andar. Porém, se você utilizar de meios controversos para prosperar, possivelmente falirá logo ali.

No entanto, boas empresas também são vítimas da crise. Não suportam os altos encargos municipais, estaduais e federais, os quais, sempre aparecem com novas taxas. Não sustentam sobreviver num país corrupto e sem perspectiva alguma. Um Brasil sem crédito lá “fora” e então, sem chance de trabalhar com grandes ou novas empresas. Um Brasil sem forças; que deixa escorrer por entre suas mãos, pequenos, médios e grandes negócios. Possibilidades que poderiam minimizar o número de desempregados, que beiram a 13 milhões de brasileiros.

Mas, você é um empresário. Agora será preciso demitir aquele ótimo funcionário, pois não há mais como mantê-lo, infelizmente. Uma empresa, também atravessa por inúmeras dificuldades. E quantas já se foram, vítimas da situação catastrófica deste país.

Para piorar, sua empresa acaba de perder um processo na “justiça”; você se recorda daquele funcionário que lhe pediu uma oportunidade de emprego? Aquele que dizia estar passando fome? O mesmo que falou, choramingando, que a sua esposa também estava desempregada e que sua família estava com diversas necessidades… Cuidado! Não sabemos mais em quem acreditar…

Aqui, preciso deixar um breve relato: senhor empresário, tenha sempre o seu funcionário em primeiro plano. Nunca se esqueça de que a sua empresa só existe pelo o seu esforço, somado com o dos seus colaboradores.

Por ventura, você já tentou chegar em casa, numa sexta-feira, sem pensar na próxima semana? Nos boletos, pagamento de seus funcionários e impostos, possíveis inadimplências, manutenção de equipamentos, buscar novos mercados e clientes, analisar o que pode ser melhorado, conversar com o seu contador, advogado, enfim… Será que a sua cerveja e churrasco do final de semana terá um gostinho agradável? Tudo dependerá de você. Agarre-se em sua família e siga…

Gosto de ver alguns “palestrantes”, em que baseiam “magníficas teses” em somente prosseguir, nadar contra a correnteza, não desanimar, ter força e fé e não desistir. De fato, belos e válidos jargões, porém, os convido para criar o seu próprio negócio e pagar pelo seu CNPJ, ter o seu funcionário e ir, de cabeça, desbravar as lambanças de um Brasil quase falido. Não há nada contra esses profissionais, mas, os melhores treinadores de futebol que conheço foram os que já jogaram e tiveram alguma experiência dentro de campo. Entenderam?

Se você decidir em ser um empresário ou não esmorecer e seguir com a sua empresa, você é sim um vencedor. É através de você que o Brasil anda. Pagar o que você paga, passar pelo o que você passa e ainda ter forças para lutar, não é para qualquer um. O mais fraco, se não sofrer algum percalço, deve desistir em alguns meses.

Um empresário, por muitas vezes e ao mesmo tempo, é visto como sanguessuga e solução para todos os problemas. Um dia você deverá entender.

Anime-se ou pense melhor…

© Marcelo Oxley

Facebook do autor | E-mail:marceloesporteucpel@yahoo.com.br

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.