Pesquisa encontra desafios da cultura da Nogueira-Pecã

Thais Boa Nova | Da Embrapa |

Um dos objetivos do projeto conduzido pela Embrapa é promover o reconhecimento do potencial de mercado da noz-pecã e consolidar a cultura como potencial de cultivo sustentável.

O cultivo da nogueira-pecã cresce a cada ano e para atender as demandas do setor produtivo nesta edição do II Simpósio Sul-Americano da Noz-Pecã a pesquisa agropecuária vai apresentar o painel “Desafios da Pesquisa na Cultura da Nogueira-Pecã”. Nele alguns temas alvo destacados pela pesquisa da Embrapa serão abordados a fim de compartilhar informações e experiências com objetivo de promover o desenvolvimento de toda a cadeia produtiva da nogueira-pecã. O painel acontece durante o Simpósio, dia 11 de abril, às 16h, no Auditório da ULBRA, em Cachoeira do Sul/RS.

As temáticas abordadas foram escolhidas visando mostrar quais são os fatores que promovem o aumento da produtividade e da qualidade do cultivo da nogueira pecã no Estado. Portanto, para orientar o produtor, serão debatidas questões que envolvem toda a cadeia produtiva como o controle fitossanitário de pragas e doenças, com destaque para as doenças fúngicas e antracnoses, formigas e lagartas, que hoje, são as principais questões fitossanitárias que afetam o cultivo.

A escolha da cultivar adequada é uma das boas práticas que garante o sucesso da produção. Assim, as vantagens e desvantagens das principais cultivares que são plantadas na região também serão apresentadas no painel, junto de quais as melhores praticas de cultivo, de manejo do pomar, poda e adubação serão indicadas para um melhor desenvolvimento das plantas. Ainda serão mostradas quais as possibilidades encontradas em sistemas de produção variados, como o sistema de produção agroflorestal e produção consorciada, opções que trazem ao produtor a diversificação de renda.

Outro destaque do painel será o Zoneamento Edafoclimático da Noz-Pecã, que vai mostrar como está o andamento do estudo previsto para ser concluído em 2020. Serão mostradas ainda as novidades mapeadas, até então, sobre os estudos de caracterização morfológica, taxonômica e molecular para que os produtores possam utilizar materiais identificados pela pesquisa. Esse projeto de Zoneamento Edafoclimático espera ter como resultado um diagnóstico fitossanitário, fisiológico e produtivo da nogueira-pecã na região sul do Rio Grande do Sul.

Bases para produção sustentável de noz-pecã no Brasil

Todas os temas destacados fazem parte dos estudos realizados pelo projeto Bases para a Produção Sustentável de Noz-Pecã no Brasil, coordenado pela Embrapa Clima Temperado (Pelotas,RS) e pretende articular e consolidar a cadeia produtiva da noz-pecã no Brasil, bem como avançar no conhecimento e traçar um panorama científico e tecnológico sobre o cultivo da nogueira-pecã.

O projeto busca a construção de um intercâmbio de conhecimentos e tecnologias que permitam o aprimoramento sustentável do sistema de produção com enfoque no diagnóstico do zoneamento edafoclimático, indicação de cultivares para a Região Sul do Rio Grande Do Sul, na identificação dos problemas principais problemas fitossanitários e no manejo horticultural das plantas, reconhecimento do potencial de mercado da noz-pecã e consolidação da cultura como potencial de cultivo sustentável.

Outro objetivo importante do projeto é a consolidação de um material que abranja todas as tecnologias básicas sobre o cultivo sustentável da nogueira-pecã. E para promover a transferência de tecnologias, o projeto realiza cursos que apresentam noções básicas sobre o cultivo da nogueira-pecã aos produtores, visando melhorar a qualidade do cultivo no Estado do RS.

O pesquisador Carlos Martins, coordenador do projeto, conta que antes não havia a noção do tamanho e dos atores presentes na cadeia produtiva da noz-pecã, foi o projeto que contribuiu para os avanços na consolidação da cadeia produtiva, e inclusive, colaborou para a formação da Câmara Setorial da Nogueira-Pecã, a Pró-Pecã, tendo a finalidade de criar uma rede de integração e cooperação entre governo, produtores e demais representantes da cadeia produtiva.

Segundo ele, um dos resultados da Pró-Pecã foi o reconhecimento do cultivo da nogueira pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Ele complementa dizendo que o projeto pretende avançar mais e representa excelente oportunidade não só de abastecer o mercado brasileiro, como também, o desenvolvimento de toda a América do Sul, através do compartilhamento de conhecimentos, dificuldades e obstáculos.

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.