Jovem é acusada de matar e mutilar irmão de 5 anos em suposto ritual

Uma jovem de 18 anos foi presa suspeita de matar e mutilar o irmão de 5 anos em um suposto ritual de magia negra, nesta quinta-feira (4), em São Roque, no interior de São Paulo.

As informações são do jornal O Estado de São Paulo.

A irmã ficou cuidando da criança após a mãe sair de casa, no bairro Gabriel Piza. Quando ela voltou, a filha se negava a abrir a porta, que precisou ser arrombada pelo cunhado, que mora próximo.

O menino foi encontrado morto e com queimaduras pelo corpo. Ele teve os olhos perfurados e o pênis mutilado. A suspeita é que ela tenha comido o órgão genital do irmão.

O corpo foi deixado no chão do quarto com velas acesas ao redor. Segundo o cunhado, a jovem estava agressiva e jogou objetos contra os familiares. Ele chegou a ser atingido por uma pedrada.

Karina Aparecida da Silva foi contida apenas com a chegada da PM (Polícia Militar), acionada pelos parentes. Ela foi levada para a delegacia da Polícia Civil e, após ser autuada por homicídio, foi encaminhada para a cadeia feminina de Votorantim.

Peritos do IC (Instituto de Criminalística) inspecionaram a residência e encontraram um celular queimado – provavelmente pela jovem -, além de um cartão de memória, um canivete e uma porção de maconha, que foram apreendidos e passarão por análise.

Segundo laudos preliminares do IML, a criança estava morta quando sofreu a mutilação. A Polícia Civil acredita que a jovem usou um travesseiro para matar o irmão por asfixia e, em seguida, mutilou o corpo.

O conteúdo do celular e do cartão da memória serão enviados para perícia. A investigação quer apurar se a jovem participava de algum grupo de satanismo ou magia negra pelas redes sociais e se houve incentivo de alguém para a prática do crime.

Karina passou por audiência de custódia na manhã desta sexta-feira (5) e foi mantida presa. O corpo do menino estava sendo velado em São Roque.

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.