Opinião de Lúcio Castagno, conselheiro do Dunas, sobre incidente no clube

Lucio falou com o Amigos de Buenos Aires, onde participa com a filha Octávia de um Congresso Mundial de Otorrinolaringologia Pediátrica

O jornal tem tentado contato com a direção do Dunas Clube, para saber se tomarão providências em relação ao episódio que resultou numa mulher empurrada para dentro de uma piscina, durante uma festa na última sexta-feira de março, 29.

Lembramos do Lúcio Castagno, conselheiro do Clube.

Alcançamos ele em Buenos Aires, onde participa, juntamente com a filha e colega médica Octávia, do Congresso Mundial de Otorrinolaringologia Pediátrica.

Ele mandou a mensagem abaixo, pelo Messenger:

“Estou em Buenos Aires, não presenciei o fato, mas tenho acompanhado o que ocorreu.

Não sou mais presidente do Conselho do Dunas; continuo conselheiro e tenho os maiores vínculos afetivos e familiares com o Clube.

O que vou dizer é minha opinião pessoal, portanto:

Em qualquer comunidade de pessoas sempre ocorrem idiossincrasias, e com o Dunas não é diferente. Contudo, em 64 anos de atividades sociais, esportivas e familiares JAMAIS ocorrera algo assim. Não há o que possa justificar agredir e jogar uma pessoa na piscina durante uma festa, e ainda pior uma jovem.

Felizmente outros dois indivíduos agiram com bravura e educação e a retiraram da piscina; e devem ser louvados. Me solidarizo com a vítima.

Na minha opinião, o autor deveria ter hombridade e compostura para pedir desculpas e indenizar a vítima. E, uma vez identificado, enquadrado e punido rigidamente de acordo com os Estatutos do clube.

Repito, sendo esses os fatos, não há justificativa possível e essa atitude não deve encontrar amparo e cumplicidade no Dunas; e macula a longa história do clube”.

Mulher empurrada por homem em piscina do Dunas Clube dá queixa na polícia

Ainda sobre a mulher jogada na piscina do Dunas

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.