Por falar em desemprego e oportunidade em Pelotas…

Definitivamente, é muito difícil apresentar um texto com o assunto desemprego, e não pensar num título forte e impactante. Ainda mais quando se trata de uma cidade que, outrora, já foi considerada como um dos polos industriais do Estado.

Pelotas sempre gozou de possuir grandes marcas, antigamente. Eram empresas que empregavam milhares de pelotenses. São histórias contadas apenas em livros, nas salas de aula e pelos meus pais. Hoje, eu não ousaria em trazer este assunto aos meus filhos.

Ainda assim, e infelizmente para muitos que torcem contra, a cidade não parou: tivemos diversas necessidades, acompanhamos o desenvolvimento natural e brutal e crescemos em outros quesitos, como por exemplo nas áreas da construção civil e negócios imobiliários.

Mas, nos atuais dias, Pelotas está remando para se manter em pé e com vida. Não existem ofertas de emprego para a maioria dos desempregados.

700 demissões

Este ano, o nosso saldo começou mais uma vez negativo. Foram mais de 700 demissões, somente de janeiro a março. As áreas industriais e do comércio lideram com mais de 400 e 300 empregos a menos, respectivamente.

Como um apaixonado por Pelotas, entristece-me passar pelo Calçadão e ver mais uma loja fechada.

Angustia-me atravessar uma galeria e perceber que muitos espaços ainda permanecem para alugar.

Claro, há um quesito que colabora para que isto aconteça: a pobre ganância dos proprietários, que, muitas vezes detentores de boas fortunas, deixam de locar os seus prédios por alguns reais a menos.

Desola-me passear pelas vias da cidade e analisar grandes empresas completamente inoperantes, que ficaram apenas como um marco de um passado vitorioso. Magoa-me em saber sobre o investimento pesado que muitos empresários realizaram no Shopping da cidade e não conseguiram, tampouco, obter um lucro digno antes de fechas as portas.

Entendo que venham me questionar sobre os altos custos daquele local, mas a ideia é apenas destacar que, não havendo dinheiro em circulação, não há máquina que resista.

Como a Prefeitura Municipal de Pelotas pode intervir para que outros investimentos não fechem?

Transferir tudo que há de errado, pelo menos neste ponto, à prefeitura, eu sei que parece leviano. Contudo, ela sabe muito bem que esta engrenagem é a maior, mais vistosa e vitoriosa que existe por aqui.

Lamentavelmente “vivemos” quase que exclusivamente do comércio.

Alguma estratégia?

Será que existe algum plano de crescimento? Ou alguma estratégia que impeça que pequenos, médios e grandes empresários não fechem os seus estabelecimentos, dispensando centenas de funcionários?

Grosso modo falando, seria necessário, para ontem, a ação de “alguém” ou algum “órgão” que aja sem moderação e com total firmeza.

Pelotas tem tudo para retomar o crescimento empresarial.

Temos ótimas escolas de formação, faculdades e pessoas com potencial.

Quantos pelotenses se qualificaram neste solo e estão bem empregados em outros Estados?

Não há como negar: a nossa mão de obra é muito bem vista e aceita, por todos os cantos do Brasil. Então, por qual motivo muitos de nossos filhos precisam sair da Terra que amam?

A situação não está fácil para empresários e funcionários.

Cabe ressaltar que um precisa do outro.

Uma dica que poderia repassar é a seguinte: se vocês, caríssimos trabalhadores, estão pensando em deixar os seus afazeres, pensem muito bem.

Novos horizontes são bem-vindos

Buscar novos horizontes e por vezes se aventurar no mercado como empreendedores será sempre válido, porém observem alguns números do desemprego, antes de tomar alguma decisão. A questão aqui, não é ter coragem ou não para arriscar e sim apresentar o triste momento que nós, brasileiros, estamos atravessando.

O projeto Havan-Saffari pode estar deixando Pelotas por burocracias do Conselho Municipal de Cultura (ConCult).

Entendo que o Jockey Club seja importante para o município e realmente é, porém podem estar indo embora 500 empregos.

Não seria inteligente todos cederem pelo menos um pouquinho e seguir com esta ideia?

Ninguém está pedindo que o Jockey seja destruído. Ninguém!

Jamais, em toda a sua vida, menospreze aquele sábio ditado em que diz: “mais vale um pássaro na mão do que dois voando”.

Ele traduz curto e grosso, o conteúdo destas linhas.

© Marcelo Oxley

Facebook do autor | E-mail:marceloesporteucpel@yahoo.com.br

1 thought on “Por falar em desemprego e oportunidade em Pelotas…

  1. O aumento do desemprego, é natural nessa época do ano. É um efeito sazonal, historicamente o desemprego aumenta no primeiro trimestre e sede no último. Quanto a vacancia no comércio, existe outro fator que pode ser ponderado. As lojas estão cada vez sendo menos locais de comércio e sendo mais showroom, se olha os produtos nelas e se compra pela Internet. Quanto a investir em industria aqui comparemos com SC, energia 6% menos custos lá, telecom 5% a menos, sem salário mínimo regional, ICMS de 1 a 5% menor do que no RS, e mais próximo dos grandes centros de consumo.

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.