Hallal aposta em mobilização e ações judiciais para reverter cortes na Educação

Reitor Pedro Hallal comenta o corte orçamentários nas Universidades Federais:

“Não tenho esperança de que uma conversa com o ministro Abraham Wintraub vá resolver”.

Para Hallal, o que resolverá, talvez, “serão ações judiciais, que já começaram, por contatos com o Ministério Público Federal e a Ordem dos Advogados do Brasil, e esclarecimentos sobre a importância das universidades, inclusive na prestação de serviços à sociedade”.

Hallal diz que a UFPel não fará nenhuma alteração no cronograma universitário da UFPel, mesmo com o anúncio de cortes da União.

“Este bloqueio tem motivação política., não é econômica. No governo Dilma, respondemos aos cortes com greve; agora, com R$ 23,2 milhões a menos no caixa, a perspectiva é de que as verbas só serão suficientes até setembro”.

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.