Universidades podem parar já no segundo semestre

O ensino superior público federal no Brasil pode parar já no segundo semestre deste ano, caso seja mantido o corte de verbas anunciado na semana passada pelo MEC, segundo reitores das principais universidades federais,informa o jornal Meio, acrescentando:

Só a UFRJ teve contingenciamento de 41% de seu orçamento.

Na federal de São Paulo (Unifesp), o aperto pode atingir o Programa Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes), que apoia a permanência de estudantes de baixa renda na universidade.

Segundo Sandra Regina Goulart Almeida, reitora da UFMG, não há eficiência administrativa que supere um corte de tamanho monte.

Ao contrário do ministro da Educação, Abraham Weintraub, que abraçou os cortes e deu-lhes um viés ideológico, seu colega da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, reclamou e conseguiu recuperar R$ 300 milhões contingenciados pela área econômica.

Entidades das áreas de ciência e educação começam hoje a se mobilizar no Congresso para reverter os cortes nas instituições de ensino e pesquisa. Por conta desse contingenciamento, a Capes vai congelar bolsas e suspender o programa Idioma Sem Fronteiras. A princípio, serão preservadas as bolsas para formação de professores da educação básica.

Levantamento do G1 indica que, considerando os gastos globais de União, estados e municípios em educação, as universidades ficam com a menor parte da verba.

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.