Não há data certa para abertura da ‘cápsula do tempo’

Começaram, nesta quarta-feira (8) pela manhã, os trabalhos de limpeza externa, registro fotográfico e estabilização da cápsula do tempo, que estava em uma urna, enterrada há 88 anos e encontrada na tarde de terça (7), sob o monumento à Miss Universo pelotense Yolanda Pereira, na praça Coronel Pedro Osório.

Os serviços são desenvolvidos no Salão Nobre da Prefeitura pelos restauradores do Museu da Baronesa, Fabiane Rodrigues Moraes e Marcelo Hansen Madail. Segundo os profissionais, ainda não é possível determinar uma data de término.

“Primeiramente, precisamos estabilizar a caixa, já que ela está consolidada pelo tempo que permaneceu embaixo da terra”, ressalta Fabiane.

Com o passar das décadas, a ferrugem externa corroeu parte da pintura original do relicário que, segundo registros, era esmaltada de azul e ouro. Aos poucos, os especialistas estão conseguindo identificar parte da cor azul no lado esquerdo inferior da caixa.

O passo posterior à cuidadosa limpeza externa é estabilizá-la ao ambiente atual, para somente depois pensar como será feita a abertura.

“O que podemos observar, além da consolidação da peça, a oxidação do ferro, é que de ontem para hoje já ocorreu a alteração da coloração da cápsula em virtude da redução da umidade”, constata Fabiane.

Quando for possível abri-la, os restauradores terão de avaliar, também, questões como umidade interna e iluminação, capazes de acelerar o processo de decomposição do material que está dentro do objeto.

Descoberta

A descoberta da possibilidade da existência da cápsula foi levantada pelo pesquisador Guilherme Pinto da Almeida, de iniciativa do projeto Otroporto, e publicada no Almanaque do Bicentenário de Pelotas (2012). Depois de saber de sua existência, ele fez um levantamento dos periódicos de três anos – 1979, 1980 e 1981 – e não encontrou nenhum registro de que tivesse sido desenterrada.

Aproveitando que a praça Coronel Pedro Osório está em obras de requalificação, o governo municipal decidiu averiguar a possibilidade levantada por Almeida e teve acesso à cápsula pela lateral da base do monumento a Yolanda Pereira.

Prefeitura encontra ‘arca perdida’ enterrada há 88 anos

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.