Professores da UCPel decidem aderir à Greve Nacional da Educação

Os professores da Universidade Católica de Pelotas (UCPel) irão integrar-se à Greve Nacional da Educação, marcada para amanhã (15). A categoria decidiu, em Assembleia Geral realizada hoje (14), paralisar as atividades em respeito à Educação e em solidariedade às Universidades e Institutos Federais, que lutam contra os sucessivos cortes orçamentários.

Confira a nota à comunidade universitária divulgada nesta terça-feira pelo Sindicato dos Professores do Ensino Privado do RS (Sinpro) e pela Associação de Docente da Universidade Católica de Pelotas (ADUCPel):

PROFESSORES DA UCPEL PARALISAM ATIVIDADES EM RESPEITO À EDUCAÇÃO

Nesta quarta-feira, 15 de maio, diversas instituições em todo o Brasil, entre Universidades Públicas, Ifes, e também nós, Universidade Privada, confessional, comunitária, filantrópica, sem fins lucrativos, aderimos à paralisação nacional em defesa do ensino público, da pesquisa científica, da extensão universitária e contra a Reforma da Previdência.

Aderimos à paralisação por uma razão muito especial: nossa solidariedade à importância em particular da Universidade Federal de Pelotas, das demais Universidades públicas da Região, à importância do Instituto Federal Sul-Rio-Grandense campus Pelotas, e, em nome delas todas, à importância e singularidade do ensino público e dos milhares de alunos que aqui se formam anualmente contribuindo, graças ao ensino gratuito, com o desenvolvimento da região, do Estado e da nação.

Muito embora sejamos UCPel e tenhamos peculiaridades de uma instituição privada, contudo comunitária e inserida auspiciosamente também na formação e nos desígnios de uma vocação constituída em nome da comunidade regional, queremos aqui manifestar nosso reconhecimento, como professores, ao papel e ao caráter do ensino público no desenvolvimento de uma sociedade mais justa, igualitária, em que o conhecimento seja preceito da formação de nossa cidadania e de um mundo menos desigual.

Por isso mesmo, nos solidarizamos contra as medidas de contingenciamento às instituições federais e as implicações que também nos afetam: cortes de custeio das bolsas de pesquisa como ora visto nos programas de Pós-Graduação, sucateamento dos atendimentos dos hospitais universitários e postos de saúde e, ainda mais diretamente, porque 1.500 alunos de nossa instituição estão à deriva de suas bolsas de estudo caso o Ministério da Economia faça valer sua proposta contra a filantropia das instituições de ensino.

Em nome disto, em nome do que hoje produzimos em favor do desenvolvimento regional; em defesa da produção do conhecimento e de seu reconhecimento, da importância das instituições públicas e comunitárias de ensino, vimos nos manifestar:

CONTRA OS CORTES OU CONTINGENCIAMENTOS NA EDUCAÇÃO PÚBLICA;

CONTRA O CORTE DAS BOLSAS DE ENSINO QUE PROPICIAM QUE INÚMEROS

ESTUDANTES POSSAM PROVER SEU ESTUDO, POSSAM DESENVOLVER SUAS PESQUISAS, POSSAM DISCERNIR E CONHECER A CIÊNCIA, O CONHECIMENTO E A HUMANIDADE DA EDUCAÇÃO;

CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA E A CHANTAGEM DE QUE SEM ELA TEREMOS QUE SOPREPOR CORTES SOBRE OS INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO;

CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO;

A FAVOR, PORTANTO, DA DIMENSÃO PÚBLICA DA EDUCAÇÃO, DA SUA DIMENSÃO

SOCIAL E COMUNITÁRIA;

A FAVOR DA APRENDIZAGEM, DO LIVRO E NÃO DA ARMA!

Participe das mobilizações deste dia 15/05

Venha compartilhar conosco essas bandeiras das manifestações no mercado Público, a partir das 14 horas.

SINPRO e ADUCPEL

Assessoria ADUFPel

Com informações de Sinpro

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.