Cristovam Buarque: ‘As pessoas entram na Universidade para ter um diploma, não conhecimento’

Da BBC | O ex-ministro da Educação e ex-senador Cristovam Buarque (PPS) acompanhou pela televisão os protestos que tomaram as ruas do país contra os cortes no orçamento das universidades realizado pelo governo de Jair Bolsonaro com um misto de entusiasmo e frustração.

À BBC News Brasil, ele se disse “feliz com o despertar das universidades”, mas “triste” pela ausência da Educação Básica no centro das manifestações.

Enquanto estudantes protestavam em quase 200 cidades do país, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, justificava os cortes em audiência no Congresso devido à crise fiscal herdada do governo Dilma Rousseff e dizia que a prioridade da gestão Bolsonaro é ensino básico, fundamental e técnico.

A promessa, porém, não convence Cristovam Buarque, para quem a agenda do ministro Weintraub de combate ao “marxismo cultural” em escolas e universidades é de causar “arrepios”.

“Eu não vejo (o governo) com condições de fazer nada pela educação. Eu nunca pensei que um dia pudesse ter um governo que provocasse um retrocesso numa coisa tão atrasada como a educação brasileira. Mas o governo que está aí vai provocar um retrocesso, na educação de base e na universidade também”, critica.

Cristovam Buarque, que foi ministro da Educação no primeiro ano do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (2003) e saiu após ser demitido por telefone, tem como principal agenda a defesa da federalização do ensino básico, hoje competência dos municípios.

Ao comentar os governos do PT, seu antigo partido, ele acusa Lula e Dilma Rousseff de “concentrar os esforços no ensino superior e abandonar a educação de base”.

“E por que fez isso? Por razões eleitoreiras, porque a universidade dá voto, a educação de base não dá voto. O Lula conseguiu vender a ideia do consumo do diploma”, afirma.

“As pessoas entram na universidade para ter um diploma, não para ter conhecimento. O Lula conseguiu fazer isso, porque ele usou como uma ascensão (social), não como uma alavanca do progresso. Minha maior frustração foi essa”, reforça.

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.