Aberta Semana de Combate ao Feminicídio

Do site da prefeitura | A 1ª Semana Municipal de Combate ao Feminicídio e à Violência Contra a Mulher foi aberta, oficialmente, nesta segunda-feira (27), em cerimônia no Salão Nobre do Paço Municipal. Uma série de atividades busca conscientizar pelo fim dos abusos e promovem o acolhimento a mulheres que sofrem qualquer tipo de violência.

Três novidades marcaram o início da programação: o lançamento do portal virtual “Fale Sobre Você”; a assinatura da Lei nº 6.695, que assegura 10% das vagas nas escolas infantis para filhos de mulheres vítimas de violência doméstica; e a divulgação do edital para projetos de atendimento aos homens agressores.

O mês de maio foi escolhido para a programação pela relação com o mês das mães, em lei de setembro do ano passado. A iniciativa vem a somar-se aos trabalhos desenvolvidos pela Rede de Proteção à Mulher de Pelotas, que é referência para todo o Rio Grande do Sul, envolvendo Executivo, Legislativo, Judiciário, forças policiais e grupos da sociedade civil.

Foi com esse viés de qualificar cada vez mais o suporte dado aos envolvidos em violência doméstica que as novidades vêm para informá-los e engajá-los. Conforme a prefeita Paula Mascarenhas, as ações estão sendo desenvolvidas sempre em parceria com todas as representações, que oferecem sugestões, com inteligência e compromisso.

“Estamos caminhando para um momento de menos violência e de mais consciência da sociedade sobre esse assunto. De mais autonomia das mulheres, mais coragem pra enfrentar e denunciar, e também mais conscientização dos homens agressores, para que todos possam superar esses problemas. Também com o Pacto Pelotas pela Paz conquistamos muito no eixo da repressão e, mais importante, da prevenção, que prepara um novo futuro”, destacou a prefeita.

Todavia, a chefe do Executivo lembrou que, apesar da diminuição dos homicídios em 50% no primeiro quadrimestre do ano, e em 22% na comparação de 2018 com 2017, infelizmente o número de feminicídios cresceu em Pelotas, assim como em todo o Brasil. Por isso, no último encontro do Gabinete de Gestão Integrada Municipal, a Rede de Proteção à Mulher esteve presente para criar um espaço de diálogo permanente, com troca de informações com órgãos de segurança, buscando coletar informações precisas sobre a violência contra as mulheres no território, a fim combater com eficiência e, sobretudo, preveni-la — o grande foco.

Fale Sobre Você

Para os casos em que o ato de violência já aconteceu é que foram criadas três inciativas.

A primeira delas, o Portal de Acolhimento Virtual “Fale Sobre Você”, ligado ao site da Prefeitura, será um espaço de escuta e fonte de apoio para as mulheres que ainda não tiveram coragem de buscar ajuda na rede, explica a coordenadora do Centro de Referência da Mulher, Myryam Viegas. “Considerando que muitas vítimas sofrem caladas, por medo e vergonha, pensamos nesse espaço virtual”, afirmou

A partir de um formulário online, em que a mulher não precisa se identificar, ela relata sua situação; a ferramenta é voltada ao auxílio de como proceder. A triagem das histórias fica a cargo de um grupo de cinco pessoas, que vão direcionar as dúvidas à equipe técnica da Rede de Proteção.

Educação para filhos e emancipação para mães

A Lei nº 6.695, proposta pela vereadora Daiane Dias (PSB), determina que 10% das vagas nas escolas municipais de educação infantil (Emeis) sejam para filhos de mulheres vítimas de violência, quando o caso for devidamente investigado e comprovado. De acordo com a parlamentar, a ideia é promover a emancipação da mãe e auxiliá-la na busca por mais autonomia.

Proponente também da legislação que criou a Semana Municipal de Combate ao Feminicídio e à Violência Contra a Mulher, ela afirmou ser este um momento singular para o município. “Nós temos toda uma gestão comprometida, o que é importante salientar. A partir disso, se preocupa e promove o debate dessas questões”, disse.

A prefeita Paula enfatizou que a nova lei dá segurança às famílias ao oferecer um espaço de recuperação para a criança, em um ambiente saudável, e à mãe também a oportunidade de buscar um emprego e sua autonomia financeira.

Reflexão para os homens agressores

“Finalmente temos o retorno do projeto de atendimento aos homens agressores, que já tivemos e precisamos interromper. É um serviço fundamental, porque tão importante quanto a punição é a gente oferecer a recuperação desse homens, pra que não reincidam”, comemorou a prefeita.

A Secretaria de Assistência Social (SAS) divulgou, na abertura da programação, um edital de convocação voltado a Organizações da Sociedade Civil (OSCs). Elas devem apresentar projetos com foco em círculos reflexivos. As propostas podem ser encaminhadas à SAS até o dia 10 de junho.

O secretário Luiz Eduardo Longaray contou que, embora o serviço não seja de atribuição do Município, o governo fez questão de assegurar os recursos para que fosse ofertado aqui em Pelotas. “Colocamos mais um serviço à disposição, que é o tratamento dos homens agressores, um trabalho relevante que vai atacar a causa (do problema). Ter uma rede bem articulada nos orgulha muito”, comemorou.

Presenças

A abertura oficial da 1ª Semana Municipal de Combate ao Feminicídio e à Violência Contra a Mulher foi prestigiada pelos secretários de Cultura, Giorgio Ronna, e de Educação e Desporto, Artur Corrêa; assessora especial Clotilde Victória; delegada da mulher, Maria Angélica Gentilini; representantes da Patrulha Maria da Penha, da Brigada Militar e da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Confira a programação completa

Terça-feira – 28/05

  • 8h às 10h – 1ª Oficina “Multiplicadores da Paz”, no auditório da Secretaria de Assistência Social (SAS).
  • 9h, 10h, 14h e 15h – Exposição “Não Abafa o Caso” (classificação indicativa: 14 anos). Permitido o acesso de até 30 pessoas em casa sessão. Visita agendada das Escolas Municipais. No prédio da UFPel, à rua Félix da Cunha, 520 (antiga Escola Sales Goulart), salas 204 e 205.
  • 19h – Roda de Conversa e Atividades Socioculturais na Comunidade, na Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Mário Meneghetti, Pestano.

Quarta-feira (29)

  • 9h, 10h e 11h – Exposição “Não Abafa o Caso” (classificação indicativa: 14 anos). Permitido o acesso de até 30 pessoas em casa sessão. No prédio da UFPel, à rua Félix da Cunha, 520 (antiga Escola Sales Goulart), salas 204 e 205.
  • 17h às 18h30 – 2ª Oficina “Multiplicadores da Paz”, voltada aos servidores da Secretaria de Educação e Desporto (Smed), no auditório da Secretaria de Assistência Social (SAS).
  • 19h – Roda de Conversa e Atividades Socioculturais na Comunidade na Emef Saldanha da Gama, no loteamento Bom Jesus.

Quinta-feira (30)

  • 8h às 10h – 3ª Oficina “Multiplicadores da Paz”, no auditório da Secretaria de Assistência Social.
  • 9h, 10h, 14h e 15h – Exposição “Não Abafa o Caso” (classificação indicativa: 14 anos). Permitido o acesso de até 30 pessoas em cada sessão e visita agendada das escolas estaduais. No prédio da UFPel, à rua Félix da Cunha, 520 (antiga Escola Sales Goulart), salas 204 e 205.
  • 14h – Mesa Redonda com Juízes “Feminicídio x Judiciário (reflexões sobre tentativa de feminicídio)”, na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam).
  • 19h – Roda de Conversa e Atividades Socioculturais na Comunidade, na Emef Nossa Senhora de Lourdes, no Fragata.
  • 19h – Roda de Conversa “Enfrentamento da violência a partir do diálogo inter-religioso”, no Centro Espírita Reencontro, rua General Argolo, 1.200, esquina com a rua Marechal Deodoro.

Sexta-feira (31)

  • 8h30min – 4ª Oficina “Multiplicadores da Paz”, no auditório da Secretaria de Assistência Social.
  • 13h30min – Roda de conversa “A paz que vem da Família”, na comunidade Quilombola Alto do Caixão.
  • 15h às 20h – Feira de Artesanato na Rua – Mulheres Empreendedoras, no Largo Edmar Fetter.
  • 15h às 20h – Plantão de acolhimento e atividade de informações e orientação sobre a Rede de Enfrentamento à Violência contra a Mulher, no Largo Edmar Fetter, ao lado do Mercado Central.
  • 19h – Roda de Conversa e Atividades Socioculturais na Comunidade, na Emef Ferreira Viana, na Balsa.

1 thought on “Aberta Semana de Combate ao Feminicídio

  1. Uma correção,a Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Mário Meneghetti,fica no bairro Getúlio Vargas

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.