Connect with us
https://www.mvpthemes.com/zoxnews/wp-content/uploads/2017/07/zox-leader.png

Brasil & Mundo

Justiça considera ilegal concurso para professor da UFPel

Publicado

on

O caso é assim:

A UFPel lançou concurso para professor para Vagas Estratégicas.

A UFPel justificou a necessidade do concurso com aquele fim alegando que “docentes com bastante titulação estão se aposentando e, com isso, a avaliação dos cursos da UFPel pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), principalmente de pós-graduação, tende a diminuir radicalmente, reduzindo a pontuação qualitativa da Universidade”.

As Vagas Estratégicas serviriam para repor os aposentados bem titulados. Dos candidatos ao concurso especial se exigiria um volume alto de titulação e de publicações científicas, a fim de manter o nível de pontuação na Capes elevado.

O problema é que as Vagas Estratégicas, na forma seletiva dos termos do concurso, não são autorizadas em lei.

Diante do caso, o Ministério Público Federal ingressou com uma ação para impedir o certame.

O procurador da República Max Palombo argumentou na peça que um concurso assim, excludente, não é previsto em lei.

O juiz Cristiano Sica Diniz acatou a ação do Ministério Público e concedeu liminar favorável, em abril passado.

A UFPel recorreu da decisão do juiz ao Tribunal Regional da 4ª Região e perdeu duas vezes, uma em 26 de junho passado, outra vez ontem, 03 de julho.

Com a decisão de do TRF4ª em 26 de junho, a UFPel tentou uma saída para manter o concurso. O Cocepe (Conselho Coordenador do Ensino, da Pesquisa e da Extensão) elevou ainda mais o valor da prova de títulos, pré-selecionando, na prática, candidatos, o que continuou, para o MPF, um critério discricionário. 

Veja abaixo os principais trechos das duas decisões do Tribunal Regional Federal dsa 4ª Região:

Na primeira decisão, de 26 de junho, o Tribunal entendeu, concordando com o relator, que:

Em que pese a fundamentação trazida pela UFPEL para justificar a necessidade de preencher e qualificar o corpo docente do programa de pós-graduação, o critério proposto, na forma como utilizado, afigura-se ilegal.

A exigência de pontuação mínima, com base na Produção científica/tecnológica, para homologação das inscrições dos candidatos, fere norma constitucional que estabelece o caráter acessório da prova de títulos.

Conforme referido na decisão que deferiu a tutela liminar, se a avaliação dos títulos, onde se insere a avaliação do CAPES sobre a produção acadêmica e profissional do candidato, não pode sequer constituir critério para eliminação do candidato, com mais razão não poderá ser utilizada como condição para a homologação da inscrição.

Mantenho, portanto, a decisão (liminar) por seus próprios fundamentos.

Não vislumbram-se razões para conclusão diversa, motivo pelo qual mantenho a decisão agravada.

Reitero que, de fato, ao exigir do candidato a comprovação da obtenção de determinada pontuação pela CAPES, na avaliação de sua produção científica recente, o edital  do certame aparentemente instituiu critério não previsto em lei para acesso ao cargo público.

Também reitero que a manutenção de candidatos no certame é medida de fácil reversão, caso a demanda seja julgada improcedente, não parecendo haver razões para reformar a decisão agravada.

Ante o exposto, voto por negar provimento ao agravo de instrumento (da UFPel).

Na decisão de ontem 3 de julho, diante de novo recurso da UFPel, o Tribunal Federal da 4ª Região concluiu:

Quanto ao mérito, fica claramente evidenciado pela análise da Resolução COCEPE nº 08/2019 que a UFPel novamente atribui caráter eliminatório à prova de títulos, de modo que pelos mesmos motivos já apontados, presente a verossimilhança do pedido de suspensão do concurso.

Com efeito, conquanto a Resolução diga que a apenas a prova escrita ou prática terá caráter eliminatório, sendo todas as demais meramente classificatórias, fato é que o artigo 30 do referido ato normativo dispõe que considerar-se-ão aprovados os candidatos que alcançaram, da maioria dos examinadores, nota igual ou superior a 7,00 (sete). Assim, infere-se, sem maiores dificuldades, que a nota da prova de títulos poderá acarretar a eliminação do candidato, o que é inclusive bastante provável em função do excessivo peso dado a tal avaliação na nota final (peso 5 ou 50%).

Comprova-se tal possibilidade com um exemplo singelo: o candidato que obtenha nota 8 nas provas escrita/prática, didática e de defesa do memorial descritivo, considerando-se os pesos atribuídos a cada uma delas, computará na nota final 4,00 (quatro) em relação às três provas (1,6 + 1,6 + 0,8 = 4,0). Precisaria, desta forma, de nota 6,00 (seis) na prova de títulos, de modo a obter os 3,00 (três) pontos necessários para atingir a nota final 7,00 (sete). Portanto, não possuindo outros títulos além do doutorado, que lhe garantem 50 pontos, não atingirá a pontuação necessária para obter nota 6,00 (seis) na prova de títulos e será automaticamente eliminado.

A situação em tela é, aliás, bastante semelhante àquela que foi objeto de apreciação pelo Supremo Tribunal Federal em precedente citado pela decisão que indeferiu o pedido de tutela de urgência (STF/MS 32074/DF), da qual reproduzo o seguinte trecho:

A plausibilidade jurídica do pedido é consistente. Com efeito, o Edital do 7º Concurso Público de Provas e Títulos para outorga de Delegações de Notas e de Registro do Estado de São Paulo dispõe que a prova de títulos será de caráter apenas classificatório (cf. item 5.2 do Edital: “A prova objetiva de Seleção terá caráter eliminatório. As demais terão caráter eliminatório e classificatório, e o Exame de Títulos, apenas classificatório” – grifou-se).

Ocorre que os itens 9.1 e 9.2 do citado Edital acabam por atribuir à prova de títulos caráter eliminatório, na medida em que seu peso é tomado como decisivo para fins de reprovação do candidato. Confira-se a redação dos aludidos itens:

“9.1. A nota final do candidato será a média ponderada das notas das provas e dos pontos dos títulos, de acordo com a seguinte fórmula:

NF = [(P1X4) + (P2X4) + (TX2)] / 10 onde:
NF = Nota Final
P1 = Prova Escrita e Prática
P2 = Prova Oral
T = Títulos

9.2. A classificação será feita segundo a ordem decrescente da nota final, considerado aprovado o candidato que alcançar a média igual ou superior a 5,0 (cinco)”.

É de clareza meridiana que a fórmula matemática empregada pelo Edital pode, a depender da interpretação que lhe seja atribuída, conferir natureza eliminatória à prova de títulos. Basta imaginar o candidato que obtivesse nota mínima suficiente para aprovação nas demais provas (nota igual a 5,0 pontos, conforme itens 5.6.3 e 5.6.15 do Edital) e não apresentasse qualquer título. Obviamente a média final desse candidato hipotético seria inferior a 5,0 (cinco). Na forma estrita dos itens 9.1 e 9.2. do Edital, essa circunstância ensejaria sua reprovação, contrariando a dicção expressa do item 5.2 do mesmo ato administrativo.

Acrescente-se, por outro lado, que o peso atribuído à prova de títulos mostra-se claramente excessivo em relação às demais provas, o que indica para possível distorção no resultado do concurso, que foi transformado fundamentalmente numa avaliação de títulos, acarretando, por um lado, a restrição excessiva dos candidatos que efetivamente terão condições de concorrer às vagas e, por outro, ainda que não dolosamente, o direcionamento antecipado do resultado do concurso.

Reporte-se ao artigo de autoria do então Ministro do Supremo Tribunal Federal Ayres Britto (Revista Trimestral de Direito Público nº 6.1994, p. 70) também mencionado na decisão do evento 3, onde são apontados os fundamentos pelos quais não é possível que a prova de títulos tenha caráter eliminatório:

É falar: os títulos que o candidato exibe como constitutivos do seu “curriculum vitae” exprimem um tipo de habilitação ou conhecimento apenas presumido, porque não testado. O candidato não é posto a prova quanto ao seu efetivo preparo pessoal. Não há concurso de títulos, mas de provas… e títulosNão constituindo provas, os títulos não aprovam, nem reprovam. Servem tão somente como critério de classificação dos candidatos, até porque, se ostentassem natureza eliminatória, fariam com que os candidatos carecedores de denso currículo (os mais jovens e os mais pobres,principalmente) já entrassem para a prova de conhecimento com a obrigação de saber mais do que os outros. E é intuitivo que tal obrigação antecipada de saber mais lesionaria o princípio da igualdade”.

Na mesma linha, o magistério de José dos Santos Carvalho Filho (Manual de Direito Administrativo; São Paulo, Atlas, 2012, pp.622-623):

O concurso de provas e títulos, se observarmos com lógica e coerência o intento constitucional, indica que os candidatos devem ter seu conhecimento mediado pelas provas a que se submeterem, porque esse é o objetivo delas. Por esse motivo é que são comumente denominadas de provas de conhecimento.

Obviamente, não é esse o escopo do concurso de títulos, integrante do concurso de provas e títulos.

A titulação dos candidatos não pode servir como parâmetro para aprovação ou reprovação no concurso público, pena de serem prejudicados seriamente aqueles que, contrariamente a outros candidatos, e às vezes por estarem em início da profissão, ainda não tenham tido oportunidade de obterem esta ou aquela titulação.Entendemos, pois, que os pontos atribuídos à prova de títulos só podem refletir-se na classificação dos candidatos, e não em sua aprovação ou reprovação.

Portanto, a prova de títulos é classificatória, não eliminatória, exatamente em função de seu caráter secundário, acessório em relação às provas de conhecimento (escrita, prática, didática). Em outras palavras, a avaliação em um concurso público deve-se dar fundamentalmente pelo desempenho nas provas que avaliem diretamente o conhecimento do candidato, o que não ocorre, a meu sentir, quando se atribui metade da nota final à avaliação da titulação.

Não se desconsidera a boa intenção da UFPel que, como ficou evidente ao longo do processo, pretende selecionar docentes que estejam habilitados a minsitrar aulas nos programas de pós-graduação da instituição, de acordo com os critérios  exigidos pela CAPES quanto à produção acadêmica e profissional do candidato.

Todavia, por melhores que sejam as intenções da ré e mais prementes suas necessidades administrativo-pedagógicas, não é possível admitir-se a realização de um concurso que, em última análise, seleciona pelo conhecimento presumido, botando em segundo plano a finalidade principal  da norma constitucional que é a de avaliar o candidato pelo mérito demonstrado nas provas de conhecimento efetuadas ao longo do concurso.  

Presente, pois, a verossimilhança do direito, a urgência decorre do aprazamento de provas já para semana que vem, não sendo recomendável permitir-se sua realização quando, de antemão, se verifica a impossibilidade de que o concurso seja levado a termo.

Ante o exposto, defiro o pedido formulado na petição do evento 30 para: (a) suspender, imediatamente, o andamento do Concurso Público regido pelo Edital COODEC nº 10, de 17 de abril de 2019; (b) determinar que a UFPel abstenha-se de realizar novos certames com base na Resolução COCEPE 08/2019.

Intimem-se com urgência.

Após, nada sendo requerido, tendo em vista que as questões de mérito são unicamente de direito, retornem os autos conclusos para prolação de sentença.

Hallal: “A gente acata tranquilamente a decisão judicial sobre o concurso”

Clique para comentar

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.

Brasil & Mundo

Com alta do gás e de alimentos, especialistas orientam como economizar

Publicado

on

Neste sábado (16) em que se celebra o Dia Mundial da Alimentação, organizações governamentais e não governamentais em todo o mundo refletem sobre como anda a alimentação mundial.

Aqui no Brasil se alimentar bem está pesando cada vez mais no bolso. E não é só pela inflação da comida. O valor médio do gás passou de R$ 75,29 no final de 2020 para R$ 96,89 em 2021, chegando a ser encontrado por mais de R$ 130 em algumas regiões do país. Os dados são da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Itens essenciais na mesa do brasileiro também estão mais caros. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os itens que mais subiram foram o açúcar (44%), óleo de soja (32%) e as carnes (25%).

Henrique Vilaverde faz e vende marmitas há 3 anos para moradores do condomínio onde mora, em Brasília. Apesar de não ter gastos com aluguel ou transporte até o trabalho, já que trabalha em casa, teve de fazer um reajuste no valor das refeições, o menor possível, segundo ele.

“Passamos a cozinhar em fogão a lenha, pensar na cozinha com criatividade. Fizemos uma pequena horta pra atender ao que produzimos e fizemos um bom estoque de outros itens como arroz, feijão, óleo.”

A auxiliar de serviços gerais e copeira Cleide Monteiro diz que tenta fazer comida com preparo rápido. “Eu acabo me privando de fazer alguns pratos para economizar [no gás]”, acrescentou.

Economizando gás

Para ajudar os brasileiros a otimizarem o uso do gás de cozinha e, com isso, fazer com que ele dure mais tempo, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) trouxe dicas simples, que podem fazer a diferença.

Infográfico - Economia de gás

Segundo Priscila Arruda, pesquisadora do programa de Energia e Sustentabilidade do Idec, a principal dica para economizar no gás de cozinha é manter as bocas do fogão limpas.

“Se as chamas estiverem amarelas, laranjas ou qualquer cor diferente da cor azul significa que as bocas estão sujas ou não estão funcionando da maneira correta então o fogo vai perder a sua potência e vai acabar gastando mais gás”, diz.

De acordo com Priscila, uma simples limpeza com água e sabão é suficiente para resolver o problema. Caso não resolva, a especialista recomenda o uso de produtos específicos para remover sujeiras mais incrustadas.

Outra dica é verificar se há vazamentos no botijão de gás, nas mangueiras, no forno ou no fogão aplicando espuma de sabão: “Se houver bolhas, será necessário corrigir [o problema]”.

Priscila também orienta para os benefícios de se cozinhar porções maiores, que possam ser congeladas; deixar grãos de molho para que amoleçam e fiquem menos tempo na panela de pressão; além de cortar alimentos em pedaços menores com o mesmo objetivo.

Além disso, ela lembra que a panela de pressão cozinha mais rápido, então priorizar o uso desse utensílio também pode ajudar na economia do gás. Além disso as tampas devem encaixar adequadamente nas panelas, para melhor conservação do calor. Isso também vale para as bocas.

Cardápio

Grande vilã do aumento neste ano, a carne pode ser substituída. De acordo com a nutricionista Juliene Melo, a sugestão é que se explore opções sem proteína animal no jantar, por exemplo.

Segundo ela, ovos são excelentes substitutos e, com eles, pode-se preparar omeletes e panquecas. “A gente tem um aporte nutricional muito positivo por ser um alimento riquíssimo em inúmeras vitaminas e também em proteínas”, diz.

Outra opção é fazer uma vitamina com frutas e leite, em vez de uma refeição propriamente dita.

No caso do óleo de soja e do açúcar, a nutricionista aconselha que se aproveite a alta desses itens para simplesmente aboli-los do cardápio pois são vilões da obesidade e da inflamação. No primeiro caso, a dica é substituí-lo por banha de porco. No segundo, por frutas que possam adoçar.

Continue Reading

Brasil & Mundo

Para quem não sacou seu Pis-Pasep

Publicado

on

Liberado desde agosto de 2019, o saque das contas dos fundos do Programa de Integração Social (PIS) e do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) está esquecido por muitos trabalhadores. Segundo a Caixa Econômica Federal, cerca de 10,5 milhões de brasileiros ainda não retiraram R$ 23,3 bilhões.

Tem direito ao saque quem trabalhou com carteira assinada na iniciativa privada entre 1971 e 4 de outubro de 1988. Os interessados devem procurar a Caixa Econômica Federal para retirar o dinheiro. O prazo para o saque vai até 1º de junho de 2025. Após essa data, o dinheiro será transferido à União.

Até maio de 2020, a Caixa administrava apenas as cotas do PIS, destinadas aos trabalhadores do setor privado. No entanto, o Banco do Brasil (BB), que gerenciava o fundo do Pasep, destinado a servidores públicos, militares e funcionários de estatais, transferiu as cotas para a Caixa, o que permitiu a unificação dos saques.

O saque pode ser pedido no aplicativo Meu FGTS, que permite a transferência para uma conta corrente. A retirada em espécie varia conforme o valor a que o beneficiário tem direito. O saldo pode ser consultado no aplicativo, no site do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) ou no internet banking da Caixa.

O saque de até R$ 3 mil poderá ser feito nas lotéricas, correspondentes Caixa Aqui e nos terminais de autoatendimento, utilizando o cartão Cidadão, com senha. Outra opção é nas agências da Caixa. Acima de R$ 3 mil, somente nas agências da Caixa, mediante a apresentação de documento oficial com foto. Para saber se tem direito às cotas do fundo, o correntista deve consultar o endereço www.caixa.gov.br/cotaspis.

Segundo a Lei 13.932, de 2019, os recursos do fundo ficarão disponíveis para todos os cotistas. Diferentemente dos saques anteriores, realizados em 2016, 2017 e 2018, não há limite de idade para a retirada do dinheiro.

A lei facilita o saque por herdeiros, que passarão a ter acesso simplificado aos recursos. Eles terão apenas de apresentar declaração de consenso entre as partes e a declaração de que não existem outros herdeiros conhecidos, além de documentos como certidão de óbito, certidão ou declaração de dependentes, inventários ou alvarás judiciais que comprovem as informações.

Continue Reading

Brasil & Mundo

Governo chama UFPel para estudo sobre vacinas contra Covid-19

Projeto financiado pelo Ministério da Saúde testará eficácia e segurança dos imunizantes aplicados em profissionais de saúde

Publicado

on

Quanto tempo dura a proteção gerada pela vacina contra o novo coronavírus? E será que a terceira dose é necessária?

Essas são algumas dúvidas que devem ser esclarecidas com o novo estudo coordenado pelo Hospital Universitário de Brasília (HUB-UnB), vinculado à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh/MEC), e realizado em mais sete centros de pesquisa do país, dentre eles o Hospital Escola da Universidade Federal de Pelotas.

O objetivo é avaliar a efetividade e a segurança das vacinas contra a Covid-19 distribuídas pelo Programa Nacional de Imunizações que foram aplicadas em profissionais de saúde de instituições hospitalares.

A pesquisa observacional busca avaliar na vida real a efetividade (existência de diagnóstico da doença pós-vacinação e sua gravidade), a segurança (desenvolvimento de reação adversa pós-vacinação), a imunogenicidade (resposta imunológica do indivíduo à vacina) e a vigilância genômica (monitoramento de variantes de preocupação do coronavírus).

O estudo é financiado pelo Ministério da Saúde. A pesquisa está na fase de recrutamento de voluntários, com expectativa de incluir dez mil pessoas. Inicialmente, podem participar apenas profissionais de saúde que atuem nos oito hospitais vinculados ao estudo, de qualquer idade e de nível técnico ou superior.

O monitoramento do participante será realizado presencialmente a cada três meses durante o período de até 24 meses após ter recebido a primeira dose do imunizante.

Segundo o professor Tiago Collares, investigador responsável pelo projeto junto ao HE, estudos multicêntricos como este, que contam com um grande número de hospitais universitários, abrem caminhos para o fortalecimento da cultura da ciência e da pesquisa nos hospitais de ensino da Rede Ebserh. “Os resultados deste projeto auxiliarão as tomadas de decisão do ministério e do Projeto Nacional de Imunizações nos próximos anos na vacinação contra o coronavírus”, destacou ele.

Lista dos centros de pesquisa participantes (os seis primeiros integram a Rede Ebserh/MEC)

1. Hospital Universitário de Brasília da Universidade de Brasília (HUB-UnB)

2. Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS)

3. Hospital Escola da Universidade Federal de Pelotas (HE-UFPel)

4. Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian da Universidade de Mato Grosso do Sul (HUMAP-UFMS)

5. Hospital das Clínicas da Universidade de Minas Gerais (HC-UFMG)

6. Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes da Universidade Federal do Espírito Santo (HUCAM-UFES)

7. Complexo hospitalar da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (HUPE e PPC)

8. Instituto Nacional de Cardiologia (INC)

Continue Reading

Em alta