Empresário que se matou em evento no Sergipe era gaúcho

É gaúcho o empresário Sadi Gitz, que se suicidou ontem, numa cerimônia do governo do Sergipe.

Nascido em Porto Alegre, Sadi Gitz era graduado em Matemática, Engenharia Mecânica e Administração.

Pós-graduado em Engenharia Naval e Engenharia de Segurança pela PUC do Rio Grande do Sul, com MBA em Gestão pela Fundação Getúlio Vargas.

No serviço público atuou na Superintendência de Transporte e Trânsito (SMTT) e na Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb). Ex-presidente da Associação Comercial e Empresarial de Sergipe (Acese), atualmente é diretor presidente da Cerâmica Sergipe S/A, fundada por ele em 1986.

Sadi

O empresário Sadi Gitz, so setor de cerâmica, estava em um evento com a presença do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e do governador de Sergipe, Belivaldo Chagas (PSD), em Aracaju.

De acordo com jornais locais, ao término da fala do governador, o empresário, que estava na plateia, falou algumas palavras e, em seguida, disparou um tiro contra a própria cabeça, causando pânico entre o público presente.

O seminário, que seria realizado no hotel Radisson, na Orla da Atalaia, iria discutir os rumos do setor de gás no Estado, e foi suspenso após tragédia. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo,e empresa da qual Gitz era proprietário, a Cercesa/Escurial, passava por dificuldades financeiras provocadas pela alta no preço do gás, o que levou o empresário à falência.

Em nota o Governo do Sergipe disse que “lamenta o ocorrido com o empresário Sadi Gitz, da cerâmica Escurial, que cometeu suicídio durante o evento”. O empresário deixa mulher e cinco filhos.

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.