Pelotas ganhará Batalhão de Choque com 110 policiais

Cerimônia de 120 dias do RS Seguro. Fotos: Gustavo Mansur/Palácio Piratini

O governo do Estado confirmou, nesta segunda-feira (15), a instalação na cidade de um Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), da Brigada Militar.

Ao todo, 110 policiais militares chegarão ao município e passarão a atuar no policiamento da região. O novo BPChoque deverá começar a funcionar em agosto, após a formatura dos policiais militares em treinamento na cidade.

A divulgação foi feita pelo governador Eduardo Leite, durante solenidade realizada no Palácio Piratini, em Porto Alegre, para apresentação dos resultados alcançados nos primeiros 120 dias do programa RS Seguro, do qual Pelotas faz parte, junto a outros 18 municípios gaúchos. Caxias do Sul também receberá uma unidade do novo Batalhão, com outros 110 brigadianos. 

Apac na cidade

Durante a solenidade, o governador também confirmou a abertura, até 2020, de uma Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac) em Pelotas, a segunda do Estado – a primeira foi a de Porto Alegre.

A prefeita agradeceu a confirmação e lembrou os bons resultados obtidos em outros municípios, onde a entidade já é uma realidade. “Vamos poder garantir uma recuperação muito mais efetiva dos nossos apenados.  Com certeza, são grandes notícias para a área da segurança pública de Pelotas”, comemorou Paula.

A instituição da Apac no município, realizada em 2017, integra as ações preventivas do Pacto Pelotas pela Paz, através do programa Segunda Chance Adulto. Segundo o idealizador do projeto Mão de Obra Prisional (MOP) – que inspirou a criação da Apac na cidade – e secretário de Saúde, Leandro Thurow, a abordagem diferenciada do método “apaqueano” baseia-se no tratamento humanizado dos apenados, o que resulta num baixo índice de reincidência e custo reduzido aos cofres públicos para a sua manutenção.

“Enquanto, no modelo convencional, cerca de 70% retornam à criminalidade, no sistema da Apac esse número cai para 10%. Além disso, o gasto com um ‘recuperando’ chega a ser um terço do investido com o preso comum”, informou, acrescentando que o custo inferior é consequência de um dos pilares do programa: o trabalho. Dentro do Centro, eles serão envolvidos em diversas atividades laborais, como artesanato, marcenaria, serralheria e panificação, além de ocupações culturais e de lazer.

O prédio em que será instalada a Apac pelotense fica na avenida Presidente João Gourlart (próximo ao Centro de Eventos da Fenadoce). A edificação ocupará terreno de 45,9 mil metros quadrados e terá 12,3 mil metros quadrados de área construída.

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.