Reitor diz que decisão de aderir ou não ao Future-se será tomada em plebiscito pela comunidade acadêmica da UFPel

Em coletiva de imprensa no campus Anglo, nesta quinta-feira (18), o reitor Pedro Hallal, da UFPel, disse ver pontos positivos e negativos no Programa Future-se, anunciado pelo Ministério da Educação nesta semana.

Mesmo que tenha visto pontos com bons olhos, os pontos negativos que enxergou impedem uma adesão da Reitoria ao Programa.

Por exemplo, o reitor é contra submeter a gestão da UFPel a uma Organização Social (OSs) de caráter privado, como exige o Future-se, ainda que parcialmente, uma vez que a Universidade, mesmo que não adira ao Programa, continuará recebendo verba para custeio e investimento.

O Future-se estabelece que as OSs fiquem responsáveis por gerir recursos de um Fundo Especial destinado a financiar, nas universidades e institutos federais, a pesquisa, a inovação, o empreendedorismo e a internacionalização daquelas instituições.

Pessoalmente, Hallal não aceita essa ingerência, pois, para efeitos práticos, as OSs anulam a Autonomia das Universidades, pela qual zela. Segundo ele, o modelo do novo Programa federal, embora não signifique privatização, insere a terceirização da gestão, uma diminuição do papel do Estado no financiamento. Por isso, optou por um caminho salomônico.

O reitor informou que transferirá a decisão de “aderir ou não” ao Future-se a plebiscito na comunidade acadêmica, e em votação universal, na qual a opinião da maioria selará o destino da UFPel em relação ao Programa.

No pleito democrático universal, não há pesos maiores aos votos de professores sobre servidores sobre estudantes. O voto de cada indivíduo, independente da categoria acadêmica a que pertença, vale o mesmo (1 voto = 1 voto).

O pleito universal permite um exercício de futurologia sobre o resultado do escrutínio na UFPel, onde, por tradição, a ideologia reativa ao capital privado é dominante e onde o alunado, setor em que a resistência ao governo Bolsonaro costuma ser maior, supera servidores e professores em número de componentes-votos.

Pode o plebiscito ter um resultado favorável à adesão da UFPel ao Future-se, mas, se ocorrer, será uma surpresa.

Para reitor, apresentação do Future-se, ‘apressada’, deixou dúvidas no ar

Programa Future-se propõe parceria de Universidades com capital privado

1 thought on “Reitor diz que decisão de aderir ou não ao Future-se será tomada em plebiscito pela comunidade acadêmica da UFPel

  1. Uma decisão típica dos populistas, que adoram dar as notícias boas, mas esquivam-se de assumir a responsabilidade na hora da verdade. Corre o risco de ver a adesão rejeitada por 110%, num plebiscito universal. Pobre UFPel!

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.