Connect with us

Brasil & Mundo

Reitor diz que decisão de aderir ou não ao Future-se será tomada em plebiscito pela comunidade acadêmica da UFPel

Publicado

on

Em coletiva de imprensa no campus Anglo, nesta quinta-feira (18), o reitor Pedro Hallal, da UFPel, disse ver pontos positivos e negativos no Programa Future-se, anunciado pelo Ministério da Educação nesta semana.

Mesmo que tenha visto pontos com bons olhos, os pontos negativos que enxergou impedem uma adesão da Reitoria ao Programa.

Por exemplo, o reitor é contra submeter a gestão da UFPel a uma Organização Social (OSs) de caráter privado, como exige o Future-se, ainda que parcialmente, uma vez que a Universidade, mesmo que não adira ao Programa, continuará recebendo verba para custeio e investimento.

O Future-se estabelece que as OSs fiquem responsáveis por gerir recursos de um Fundo Especial destinado a financiar, nas universidades e institutos federais, a pesquisa, a inovação, o empreendedorismo e a internacionalização daquelas instituições.

Pessoalmente, Hallal não aceita essa ingerência, pois, para efeitos práticos, as OSs anulam a Autonomia das Universidades, pela qual zela. Segundo ele, o modelo do novo Programa federal, embora não signifique privatização, insere a terceirização da gestão, uma diminuição do papel do Estado no financiamento. Por isso, optou por um caminho salomônico.

O reitor informou que transferirá a decisão de “aderir ou não” ao Future-se a plebiscito na comunidade acadêmica, e em votação universal, na qual a opinião da maioria selará o destino da UFPel em relação ao Programa.

No pleito democrático universal, não há pesos maiores aos votos de professores sobre servidores sobre estudantes. O voto de cada indivíduo, independente da categoria acadêmica a que pertença, vale o mesmo (1 voto = 1 voto).

Publicidade

O pleito universal permite um exercício de futurologia sobre o resultado do escrutínio na UFPel, onde, por tradição, a ideologia reativa ao capital privado é dominante e onde o alunado, setor em que a resistência ao governo Bolsonaro costuma ser maior, supera servidores e professores em número de componentes-votos.

Pode o plebiscito ter um resultado favorável à adesão da UFPel ao Future-se, mas, se ocorrer, será uma surpresa.

Para reitor, apresentação do Future-se, ‘apressada’, deixou dúvidas no ar

Programa Future-se propõe parceria de Universidades com capital privado

Jornalista. Editor do Amigos. Ex-funcionário do Senado Federal, do Ministério da Educação e do jornal Correio Braziliense. Prêmio Esso Regional Sul de Jornalismo. Top Blog. Autor do livro Drops de Menta.

Publicidade
1 Comment

1 Comment

  1. Alarico

    18/07/19 at 21:57

    Uma decisão típica dos populistas, que adoram dar as notícias boas, mas esquivam-se de assumir a responsabilidade na hora da verdade. Corre o risco de ver a adesão rejeitada por 110%, num plebiscito universal. Pobre UFPel!

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor.

Brasil & Mundo

Doria ironiza Grupo Eurasia, que dava vitória a Leite

Publicado

on

O governador de São Paulo, João Doria, foi às redes sociais ironizar o Grupo Eurasia, que divulgou análises dando vitória nas prévias do partido a Eduardo Leite.

 Eurasia é uma empresa de consultoria e pesquisa de risco político.

Continue Reading

Brasil & Mundo

VÍDEO: PF queima balsas usadas em garimpo ilegal no rio Madeira

Porções de ouro e mercúrio foram apreendidas

Publicado

on

Neste sábado (27), agentes da Polícia Federal, Ibama, Marinha e Aeronáutica queimaram 31 balsas usadas para garimpo ilegal no rio Madeira, em Nova Olinda do Norte.

As embarcações estavam abandonadas no rio, e apenas um homem foi encontrado e preso. Porções de ouro e mercúrio foram apreendidas.

Nas últimas semanas, centenas de balsas e dragas atracaram em um único ponto do rio Madeira, para exploração em massa de ouro. 

Os garimpeiros se dispersam do local na sexta-feira (26), mas alguns continuaram operando de forma ilegal.

Publicidade
Continue Reading

Brasil & Mundo

Covid-19: Brasil registra 229 óbitos e 9,2 mil novos casos

Governo já distribuiu mais de 306 milhões de doses de vacinas

Publicado

on

O boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde na noite de hoje (27) mostra que o Brasil registrou, em 24 horas, 229 novas mortes em decorrência de covid-19. Com isso, o país chegou a 614.186 mortes durante a pandemia.

O levantamento mostra que 9.233 novos casos da doença foram registrados no sistema de monitoramento da doença. No total, o país registrou até o momento 22.076.863 casos de infecção pelo novo coronavírus. O informativo também traz os dados sobre óbitos em decorrência de síndrome respiratória aguda grave (SRAG), que somam 119 casos e estão sob investigação de órgãos de saúde.

 país tem 174.396 casos ativos de covid-19 em monitoramento. O número diz respeito a casos diagnosticados que estão sob supervisão médica ou em isolamento.

O número de recuperados é de 21.288.281 casos, o que corresponde a 96,4% do total de infectados.

Estados

No topo do ranking de mortes por estado estão: São Paulo (153.993), Rio de Janeiro (69.011), Minas Gerais (56.143), Paraná (40.771) e Rio Grande do Sul (36.075).

Os estados que menos registraram mortes por covid-19 foram o Acre (1.846), o Amapá (2.002) e Roraima (2.050).

Vacinação

O painel de vacinação do Ministério da Saúde estava fora do ar no momento da apuração dos dados, e a última atualização que consta no vacinômetro do site do ministério registrava, até o dia 25 de novembro, 364.177.468 doses de vacinas distribuídas, com 306.982.366 doses aplicadas – número que compreende a primeira dose, a segunda dose e aplicações únicas.

O ministério registra, ainda, que o governo federal já investiu cerca de R$ 207,3 bilhões em vacinas.

Publicidade

Continue Reading



Publicidade
Publicidade

Mais lidas em três dias