Connect with us

Pelotas & RS

“Jamais faríamos uma venda a qualquer preço”, diz Leite ao anunciar cancelamento de negociação de ações do Banrisul

Publicado

on

Do site do Piratini | O governo do Rio Grande do Sul anunciou nesta quinta-feira (19/9) a decisão de não dar continuidade ao processo da venda de um lote de 96.321.426 ações ordinárias do Banrisul.

O cancelamento do processo foi divulgado em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e, durante a manhã, o governador Eduardo Leite concedeu uma entrevista coletiva, no Palácio Piratini, para dar mais detalhes.

“Essa decisão se dá em defesa dos interesses do Estado”, iniciou dizendo o governador.

“Tivemos ofertas em volume mais do que do suficiente para que se vendesse o lote completo das ações, no entanto, o preço ofertado não atendia ao que nós, governo, entendíamos como razoável para que essa operação fosse levada à conclusão. Nós entendemos que o negócio era consistente, era importante para o Estado, mas jamais faríamos uma venda a qualquer preço”, completou.

Leite reafirmou que o governo havia identificado a venda das ações ordinárias, mantendo o controle do Banrisul pelo poder público, como uma oportunidade de receita extraordinária para auxiliar o Estado a superar o déficit nas contas e que poderia ser utilizada de forma a colaborar com o programa de ajuste fiscal implementado em sua gestão.

“Fizemos uma estruturação do negócio de forma muito consciente e consistente, prova disso é que três dos maiores bancos do mundo estiveram presentes e fizeram a modelagem em conjunto”, ressaltou o governador.

O secretário da Fazenda complementou dizendo que o Banrisul e o Estado foram ao mercado acompanhados do “primeiríssimo time do mercado de capitais”, com nomes brasileiros e internacionais reconhecidos em todas as etapas, desde a equipe de advocacia aos auditores independentes.

Publicidade
PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 19/09/2019 - Em coletiva de imprensa, na manhã desta quinta-feira (19/9), o governador Eduardo Leite falou sobre o cancelamento da operação  envolvendo a venda de ações do Banrisul. Fotos: Felipe Dalla Valle/ Palácio Piratini
“A modelagem seguiu as melhores práticas de mercado, mas a decisão final é do acionista”, disse o secretário Marco Aurelio – Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini

“Isso é absolutamente inquestionável e uma prova da qualidade do ativo que se tinha e da oportunidade que se tinha de carregar essa oferta ao mercado. Não era um movimento, como disse o governador, de desespero, e sim uma oportunidade que foi expressivamente discutida por todos os bancos internacionais. O Banrisul tem ações em bolsa há mais de uma década e a modelagem seguiu as melhores práticas de mercado, mas a decisão final é sempre do acionista. Não significa nenhum vício no processo, houve uma ampla base de investidores domésticos e internacionais, mas houve uma contaminação do processo pela atual situação do Estado”, afirmou Marco Aurelio.

O governador não descartou novas operações ligadas ao Banrisul, mas disse que de imediato o Estado está focado em outras ações estratégicas para recuperar o quadro fiscal e manteve o compromisso de pagar o salário dos servidores em dia.

“Esse é um propósito firme do nosso governo e continua a ser perseguido. Essa operação (de venda de ações) era uma oportunidade de viabilizar recursos extraordinários em volume que ajudariam o Estado no cumprimento dessa missão. Mas jamais foi a única forma, a única ferramenta ao qual o governo se alicerçou para poder fazer esse cumprimento, que não é apenas um compromisso, é uma estratégia de gestão. São 45 meses de salários em atraso no RS, isso não afeta apenas os servidores, isso afeta nossa economia como um todo”, apontou Leite. “Lançaremos mão de outras estratégias para colocar os salários em dia e ajudar na retomada no desenvolvimento do Estado”, acrescentou.

Histórico do processo

As ações que haviam sido colocadas à venda pertencem ao Estado do Rio Grande do Sul e, mesmo com a venda dos papéis, o controle do Banrisul permaneceria com o governo gaúcho.

De acordo com a Secretaria da Fazenda, a operação foi comunicada previamente ao mercado, por meio do Fato Relevante em 9 de setembro, garantindo total transparência ao processo, conforme determina a legislação.

A operação foi coordenada pelo Bank of America Merrill Lynch Banco Múltiplo S.A. (BofA Merrill Lynch), Banco Itaú BBA S.A. (Itaú BBA) e Banco J.P. Morgan S.A. (J.P. Morgan) e foram tomadas todas as ações em conformidade com dispositivos legais e previstos pelos órgãos reguladores.

Publicidade
Publicidade
Clique para comentar

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor.

Especial

Covid: Pelotense a partir dos 30 pode tomar terceira dose

Publicado

on


terceira dose da vacina contra o coronavírus (dose de reforço) já pode ser recebida por pessoas com 30 anos ou mais, que tenham feito a segunda dose há, no mínimo, cinco meses. Os imunizantes podem ser encontrados nos mais de 50 pontos de vacinação selecionados pela Prefeitura a partir de sexta-feira (3). 

Dentre os documentos que deverão ser apresentados, no momento da aplicação, estão as carteiras de identidade e de vacinação, necessária para comprovar as duas doses anteriores ou o esquema vacinal completo.

Quem recebeu o imunizante da Janssen ainda não poderá fazer o reforço.

Continue Reading

Cultura & diversão

Confissões de um cadáver adiado, novo romance, em gestação, de Luiz Carlos Freitas

Publicado

on

O escritor e jornalista Luiz Carlos Freitas está produzindo um novo romance: Confissões de um cadáver adiado. Abaixo, um trecho do livro e outras informações sobre o autor e seu trabalho. Material fornecido pela Fábrica de literatura.

***

“Mal havia completado 15, matei meu pai. Velei o corpo e a culpa durante quatro décadas, sepultei ambos no dia em que finalizei 55 anos. O peso se tornara insustentável perante o diagnóstico de câncer recorrente no estômago, primário ou secundário no pâncreas, no baço, necrose safada no fígado, recebido do médico de fala mansa, excessivamente franco, brutalmente impiedoso, inapelavelmente direto. E reto. Resignado, pereci no ato, aceitei a única herança paterna, entranhada nas células, me repassada por vingança daquele filho da puta, responsável por me trazer ao mundo sem consentimento prévio, artífice dos meus desgostos, cicatrizes e deformações, semeador em campo fértil à germinação de flores do mal, similares às de Baudelaire. À brotação da ambiguidade de crime e castigo, semelhante ao mergulho aos confins da alma humana experimentado por Dostoiévski – filho outro da paternidade irrefletida, geradora de gente bizarra, não raro perigosa, se não a si, decerto à sociedade. A revelação crua, endurecida pela insensibilidade fortalecida com o sangue, o desalento e a aflição dos sentenciados à morte, me pegou no contrapé, me abateu, pipoquei, tremi, temi o pior, na mente desfilou parada de dores e horrores.”

***

Da Fábrica de literatura:

O trecho inicial do “Confissões de um cadáver adiado”, em gestação na “fábrica de literatura” do jornalista e escritor pelotense Luiz Carlos Freitas, é para os fortes, destinado aos que apreciam obras profundas, sombrias – um estudo da alma, aos moldes dos autores russos, notadamente Dostoiévski. O título foi “pinçado” de um poema de Ricardo Reis, um dos heterônimos de Fernando Pessoa, mestre em reduzir o homem a sua verdadeira dimensão.

Publicidade

“O livro é uma autoficção, na qual me desnudo, revelo períodos da infância, da adolescência e da idade adulta, com ênfase na superação de grave enfermidade enfrentada e superada em 2011 e 2012”, Freitas esclarece, acrescentando que o título remete às dificuldades, dores e horrores enfrentados pela espécie humana, sem deixar de acreditar na redenção da humanidade.

Luiz Carlos Freitas

Enquanto trabalha no novo livro, Freitas faz contatos e recebe propostas. Assinou contrato com a editora portuguesa Ases da Literatura, por exemplo, cedendo os direitos autorais do romance “MoriMundo”, originalmente editado em 2011 pela Editora Livraria Mundial. A nova versão da obra foi publicada em meados de novembro, com lançamento internacional.

“Entendo que, depois de publicado, o livro é dono de si mesmo e não temos mais ascendência sobre ele. Devemos deixá-lo seguir o seu caminho e chegar ao destino final – o leitor – esteja onde estiver, no Brasil, em Portugal, em Angola, na Índia, num condomínio de luxo ou numa casa de periferia. O importante é que deixe marcas e auxilie no aperfeiçoamento da sociedade, na busca da tolerância, da solidariedade, da fraternidade e da igualdade”.

Responsável pela coluna política “Entrelinhas”, publicada durante sete anos no Diário Popular, desde o início do ano Freitas passou a se dedicar exclusivamente à literatura e anuncia para 2022 a publicação do livro “Homo Perturbatus” na França (publicado em 2018 e lançado na Bienal Internacional do Livro de São Paulo naquele ano). Segundo ele, a obra está em fase de tradução, na editora, em Paris, com lançamento previsto para o segundo semestre do ano que vem. “Essa é a expectativa, embora tudo esteja se movendo devagar em função da Covid-19 – e não é para menos, diante da tragédia que se abateu sobre o mundo. Sem deixar de lamentar as vidas perdidas e fazendo a nossa parte, temos de ser otimistas, acreditar que a epidemia será controlada, remetendo a civilização a um novo ciclo, menos materialista e individualista, conforme  defendo no livro ‘Homo Perturbatus’.”

“MoriMundo” está à venda na Livraria Mundial (Pelotas). E mais:

LOJAS AMERICANAS

SHOPTIME

ESTANTE VIRTUAL

Publicidade

MERCADO LIVRE

AMAZON (EBOOK E LIVRO FÍSICO

Também podem ser encontrado na Amazon em Espanha, Inglaterra, Alemanha, Itália, EUA e França. 

***

Trecho do MoriMundo:

“Tanto no Paraíso quanto no Limbo, sobretudo no Inferno, passarinhos de asas coloridas e cantos melodiosos já não existiam, exceto pardais, pombas e urubus, mas esses não contam. Não cantam. Arrulham, piam, crocitam. E a plumagem deles era escura, às vezes cinza, marrom ou bege, geralmente preta. Tanto no Paraíso quanto no Limbo, sobretudo no Inferno, não se via borboletas esvoaçando, abelhas zumbindo e cigarras cantando. Tampouco grilos estrilando, vaga-lumes iluminando, rãs coaxando. Os ratos e baratas, aranhas e morcegos, estes sim subsistiram, predadores que são. Não sobrou quase nada, tanto no Paraíso quanto no Limbo, sobretudo no inferno. Raras árvores, rios e lagos, gramados e jardins. Tudo era cinza, triste e monótono. E o calor, torturante. Insuportável! Durante o dia, envolta por névoa espessa, a cidade fervia, espumava, presa em si mesma, manietada pelo aço, o cimento e o vidro. Tanto no Paraíso quanto no Limbo, sobretudo no Inferno, desfilavam multidões suarentas, tensas e caladas, como se formigas entontecidas. À noite, o frio dominava e a paisagem mudava. Praticamente desertas, as ruas se transformavam em território de sombras furtivas, apressadas e silenciosas. A metrópole se autodevorara, sucumbira à superpopulação, à degradação e à poluição, exceto no Paraíso, onde se tentava recomeçar um novo ciclo, marcado pela exclusão, elitizado, apesar de fadado ao fracasso, pois um dia também seria tragado pelo redemoinho do tempo, pelas hostes indignadas e ensandecidas.”

***

Trecho do Homo Perturbatus:

“Trajano equilibrou-se entre dois mundos por anos e anos sem conta. Tornou-se exemplo vivo do maniqueísmo que grassa em sucessivas civilizações, desde que inventaram Deus. Do ponto de vista externo, era o Mal encarnado, alguém que negava a existência dos deuses: Deus-Todo-Poderoso; Deus-Money; Deus-Consumo; Deus-Cinismo: Deus-Intolerante; Deus-Ignorante e uma infinidade de divindades idolatradas e respeitadas, cujos preceitos são seguidos ovinamente pela maioria, com fortuitas e meritórias exceções. Do ponto de vista pessoal, fruto de personalidade diferente e ainda imaculada, por conta, segundo os outros, de anomalia – “um castigo” – inata, Trajano acreditava piamente, com a devoção e a convicção de beato inveterado, ser exemplo raro de uma classe humana em extinção, a exemplo do que ocorria com  determinadas espécies: tartarugas-marinhas e borboletas, bem-te-vis, beija-flores, peixes-gato e  amores-perfeitos, árvores-da-felicidade e peperômias, jatobás, jerivás e samambaiaçus. Não tinha dúvidas, representava o Bem, Dom Quixote feito gente de carne, osso e cérebro, com virtudes e defeitos, sim, mas humanista e idealista, do cabelo ao dedão do pé. Fiel às convicções íntimas, perseverou, e foi em frente, apreendendo e aprendendo! Ser cândido e confiante, sequer desconfiava, mil armadilhas o aguardavam estrategicamente armadas ao longo do caminho, nem lhe passava pela mente que mil e um deuses irados e malévolos o espreitavam a cada momento.”

Publicidade

Continue Reading

Cultura & diversão

“Icônico pelotense”

Publicado

on

Foto de Tani Guez”.

Continue Reading



Publicidade
Publicidade

Mais lidas em três dias