Coringa mente bem

Vi Coringa duas vezes. Na segunda, convidei minha mulher, a bela Catarina. Ela não tem mais paciência para se deslocar até um cinema; eu ainda tenho, apesar de a projeção no Shopping me parecer escura, suponho que por algum defeito do projetor, não sei. Frequento mesmo assim porque gosto da tela grande e da cumplicidade com a plateia.

Gosto muito de cinema desde que me conheço por gente. Sempre apreciei, com admiração, a habilidade ficcional de dizer verdades, por vezes duras, disfarçadas de mentira, que é, afinal, a função principal da ficção.

Toda obra de ficção mente. Isso não se discute. Mas, ao menos a boa ficção, mente com tal poder de persuasão que nos faz acreditar na história (aí a arte), ecoando nossos sentimentos íntimos, ainda que por um par de horas.

O convincente Coringa é incômodo como deve ser – na ficção, porque, na vida real, a admissão daquele caldo de violência e desesperança do personagem tornaria a vida intolerável. Como o filme é um incômodo, mais que um produto de divertimento, é também uma obra de arte.

Coringa expressa uma verdade que só pode ser dita assim, disfarçada de mentira, porque o que diz é horrível: a solidão emparedada que uma pessoa pode experimentar, ao ponto de viver no limbo, como as crianças pagãs.

Uma solidão comum na vida real, embora não se fale muito disso.

 

Obrigado por participar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.