Vivas à George Harrison!

Ontem fez 77 anos do nascimento do ex-beatle

Eduardo Cruz de Almeida

George Harrison nasceu em Liverpool em 25 de fevereiro de 1943 e faleceu em Los Angeles, em 29 de novembro de 2001, aos 58 anos. Estavam a seu lado a mulher Olívia e o filho Dhani.

Suas cinzas foram levadas para a Índia. George sempre foi conhecido como o Beatle espiritual pelo seu envolvimento com o Hinduísmo.

Em 1967 levou seus três amigos para assistirem uma apresentação em Londres do Maharishi Yogi. Depois, no ano seguinte, os quatro Beatles participaram de um retiro espiritual na Índia, e lá George aprofundou seu gosto pela religião.

A experiência na Índia gerou grandes transformações em George e influenciou nas suas canções. Sua contribuição como compositor para os Beatles resumia-se quase sempre a uma música por álbum, pois a dupla Lennon/McCartney preenchia praticamente todos os créditos.

Possivelmente isso o aborrecia, mas Paul e John não abriam mão de comporem somente entre eles. Não havia como mudar essa situação, o imenso sucesso da dupla falava por si só.

A partir do ‘Álbum Branco’, suas músicas passaram a fazer tanto sucesso como as de Lennon-McCartney.

Frank Sinatra sempre falava que Something (de George) era a música mais linda dos Beatles. Já na era pós-Beatles, George teve então como mostrar seu enorme talento, não só como compositor.

Não escolheu para sua carreira solo o lado business dos megashows ou dos álbuns comerciais. Respeitado por lendas como Bob Dylan, Eric Clapton e Carlos Santana, sua música sempre expressou a sensibilidade do homem altruísta que era.

Foi o primeiro artista famoso a organizar um show beneficente – Concert Of Bangladesh. Produziu o Monty Pithon – grupo de comediantes que conquistaram o público americano.

Criou e liderou os Traveling Wilburys, onde figuravam gigantes como Bob Dylan, Ton Pety, Jeff Lyne e Roy Orbinson. Seu primeiro álbum solo (triplo), All Thigs Must Pass, detém recorde de vendas quando o referencial é a carreira individual dos Beatles. Mas sempre existem espinhos pelo caminho.

Enfrentou processo por plágio, sua mulher fugiu com seu melhor amigo e a primeira turnê solo foi um fracasso. Mas isso é outra história.

Sua música sofisticada e atemporal exala frescor, basta ouvir seus álbuns. Para celebrar a música e a vida de George Harrison fica a sugestão, ouçam: While My Guitar Gently Whippes com Carlos Santana e Love Comes To Everyone com Eric Clapton. Celebre George! Viva George!

Engenheiro Civil, Corretor de Imóveis, professor, escritor. Livros publicados: DNA do Corretor de Imóveis e Vender é para fortes.

Eduardo Cruz de Almeida é engenheiro Civil, corretor de Imóveis, professor, escritor. Livros publicados: DNA do Corretor de Imóveis e Vender é para fortes.

Obrigado por participar. Comentários podem ter a redação moderada.