Segundo caso suspeito de coronavírus em Pelotas

A prefeitura diz que identificou um caso suspeito de Coronavírus em Pelotas. Um homem, de 42 anos, que mora em Veneza, na Itália, e veio visitar a família em Pelotas, de onde é natural.

Ele apresentou sintomas similares ao da gripe e buscou a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Areal, foi examinado e, após a suspeição, orientado a permanecer em isolamento domiciliar, já que o quadro é estável.

Durante o atendimento, o paciente teve material coletado e enviado ao Laboratório Central do Estado (Lacen/RS). O resultado deve ser divulgado nos próximos dias.

Até o momento, nenhum familiar dele apresentou sintomas e, apesar disso, serão acompanhados também pela Vigilância Epidemiológica.

Segunda suspeita

Esse é o segundo caso suspeito da doença em Pelotas. O primeiro, notificado em janeiro, foi rapidamente descartado pela Vigilância Epidemiológica, que, em seguida, criou um fluxo de atendimento aos suspeitos de infecção pelo COVID-19.

O procedimento começa pela triagem, com a verificação de alguns sintomas, que, associados à informação de viagens recentes (últimos 14 dias) – para um dos 58 países nos quais existam infecções confirmadas –, caracterizam a hipótese de coronavírus.

Atualmente, febre somada a um ou mais indícios ou manifestações da enfermidade – incluindo diarreia, tosse e dificuldade para respirar –, mais o fato de o paciente ter visitado as regiões de risco, acionam o alerta das equipes de saúde, que notificam a Vigilância e isolam o paciente em uma sala específica da unidade.

Quando isso ocorre, o usuário recebe uma máscara cirúrgica para proteger as vias nasais, e uma amostra de secreção respiratória é coletada e encaminhada para análise no laboratório credenciado, o Lacen.

Além das Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e da UPA, porta de entrada dos casos suspeitos, os hospitais também estão prontos para receber situações mais graves, com alas destinadas ao isolamento e suporte avançado em saúde.

“Se não houver sinais de gravidade, a pessoa fica em isolamento domiciliar por 16 dias, com acompanhamento da equipe de atendimento primário, tanto para ela, quanto para a família”, explica uma das enfermeiras responsáveis pela Vigiep, Ana Alice Maciel.

Veja as precauções

A Vigilância Epidemiológica lembra que, mesmo a pessoa não tendo viajado a um dos locais de incidência, apresentando, no entanto, sintomas gripais, é importante procurar ajuda médica e evitar a automedicação. Ana Alice lembra que, além do coronavírus, existem outras infecções, tais como o H1N1, e, com a aproximação do inverno, é importante que a população tome os cuidados necessários.

Equipe da Secretaria de Saúde destaca que o Município deverá iniciar, no dia 23 de março, a Campanha Nacional de Vacinação da Gripe, com “Dia D” previsto para 9 de maio. Nessa primeira etapa da ação, o público-alvo serão os idosos e os profissionais da saúde.

De acordo com o Ministério da Saúde, a antecipação pretende evitar que indivíduos com idade acima de 60 anos precisem se deslocar, no período esperado, para a provável circulação do vírus no País. A medida também vai ajudar as equipes de saúde a descartarem as influenzas na triagem, ajudando a agilizar o diagnóstico de portadores do COVID-19.

Situação no País

O Ministério da Saúde confirmou, na terça-feira (10), mais nove casos de coronavírus no País: três em São Paulo, um no Rio Grande do Sul e cinco no Rio de Janeiro. Desses, sete são importados e dois são de transmissão local, ambos no Estado de São Paulo. Com isso, ao todo, já form notificados 34 em todo o Brasil: seis por transmissão local e 28 advindos do exterior. Atualmente, são monitorados 893 casos suspeitos e outros 780 já foram descartados.

Etiqueta Respiratória

Para prevenir a contaminação por vírus de qualquer espécie, o que inclui o COVID-19, a Vigilância Epidemiológica ressalta alguns procedimentos que podem ser adotados.

  • Lavar as mãos com sabão e água, ou com álcool, principalmente antes de comer.
  • Assoar o nariz apenas com lenços de papel descartáveis ou papel higiênico.
  • Cobrir a boca e o nariz quando tossir ou espirrar.
  • Evitar tocar mucosas da boca, nariz e olhos.
  • Higienizar as mãos após tossir ou espirrar.
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas.
  • Manter os ambientes ventilado.
  • Evitar contato próximo com pessoas que apresentarem sinais ou sintomas da patologia, e que tenham viajado para países nos quais está ativa.

Obrigado por participar. Comentários podem ter a redação moderada.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.