Coronavírus: E o meu negócio? Como vou pagar as contas?

Eduardo Affonso |

Todo mundo já sabe da importância do isolamento social para conter o avanço da pandemia. Mas e o meu negócio, como é que fica? Como vou pagar as contas, os salários?

A alternativa é parar por um mês ou dois, apertar por onde der e retornar em junho ou julho – ou não parar agora e só retornar em 2021.

A alternativa é mudar o perfil do seu negócio – trabalhar onlaine, com menos pessoas (para garantir a segurança), mandar entregar em casa – ou não ter mais um negócio para chamar de seu.

Continuar como era até a semana passada é uma opção que não está mais disponível no cardápio. E não há pensamento mágico que mude isso.

Ah, mas estão fazendo mimimi, é muita histeria, já houve epidemias piores, eu não acredito, eu não isso, eu não aquilo.

Não é sobre você, meu filho, ou sobre aquilo em que você acredite. É sobre todos nós.

É, principalmente, sobre aqueles do grupo de risco: os que nos geraram, nos educaram, nos alimentaram, e que nunca poderiam imaginar que viessem a ser ignorados na reta final da vida.

E ignorados não por ingratidão ou desamor, mas por sentimentos infinitamente mais mesquinhos, como o egoísmo e a demência ideológica.

Sim, você pode ir à academia. Afinal, ela já está paga, e você precisa estar fítines. Necessita manter o xeipe. Seu corpo exige a serotonina que só 45 minutos de esteira e meia hora de crosfite são capazes de liberar. Isso é ou não é mais importante que a saúde da avó do seu personal, da tia da limpeza, do pai do segurança, da sua vizinha aposentada?

Sim, você pode continuar agindo como se nada estivesse acontecendo à sua volta. Pode ir pegar onda em meio ao bombardeio, como em “Apocalypse Now”. Estatisticamente, a letalidade é só de 3,5%, você está fora do grupo de risco e tudo não passa de uma manobra da esquerda para desacreditar e derrubar o seu Presidente, o Capitão que acabou com a roubalheira, restaurou a moralidade (nada mais de dedo no cu com verba pública!) e recolocou Deus acima de tudo, de volta ao lugar de honra no altar, usurpado pelo Lula.

Assim como os petistas ignoram o rastro de mortos que deixaram (por falta de saneamento, pela violência, pelo sucateamento da saúde pública – afinal, roubaram o quanto puderam, de onde puderam), você também fará de conta que não tem nada a ver com as vítimas desta pandemia.

Mesmo que você não dê um espirro, algum desses mortos será seu. E muito do sofrimento dos que sobreviveram. E muita da dor dos que perderam pais, irmãos, tios, avós. Porque sua imprudência terá sido um vetor de contaminação.

“Eu só puxo o gatilho; quem mata é Deus”, costumam dizer os pistoleiros.

Quem vai matar é o vírus. Mas a digital no gatilho – indelével, iniludível – é a sua. E nem terá sido por ódio (crime passional costuma ter suas atenuantes) ou por ganância (como nos crimes do PT). Será só burrice mesmo.

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.