Pelotas examinou 33 exames. Deram negativo. Examina mais 22

Pelotas continua sem casos confirmados de coronavírus. O Laboratório Central do Estado (Lacen/RS) liberou novos resultados neste domingo (22). Dos 52 casos notificados na cidade, 33 deles já foram descartados para a doença. Os outros 19 permanecem em análise pelo Laboratório Central do Estado (Lacen/RS). 

O Lacen/RS é o único laboratório do Rio Grande do Sul credenciado e certificado à realização do exame de contraprova — que confirma ou descarta o coronavírus. No momento, os laudos do Lacen/RS estão levando mais do que as 48 horas padrão devido à grande demanda observada no Estado. Todas as informações oficiais serão divulgadas nos boletins diários no site http://www.pelotas.com.br e nas redes sociais oficiais da Prefeitura de Pelotas.

(Imagem anexa)

Central de triagem

A Central de Triagem para o conoravírus criada pela Prefeitura de Pelotas começou a operar nesta sexta-feira (29). Das 8h às 18h, através do número (53) 3284-7700, o público poderá entrar em contato, exclusivamente, para informar sintomas associados à doença e saber se eles se enquadram nos critérios para realização do exame. O serviço funciona de segunda a sexta-feira.

A Secretaria de Saúde (SMS) pede a colaboração da comunidade com o uso da linha telefônica: apenas para sanar dúvidas, a fim de possibilitar mais eficiência ao serviço.

Se os profissionais da Central comprovarem a suspeita, recomendarão o isolamento domiciliar e encaminharão equipe volante à residência para coletar material. Desta forma, evitarão deslocamento dos usuários às unidades de saúde. 

Passo a passo

Existe uma equipe volante que, após ser avisada pela Unidade Básica de Saúde (UBS) onde o paciente procurou atendimento, vai à casa da pessoa com suspeita para fazer a coleta. É bom reforçar que isso só ocorre quando se tem certeza da suspeita e não quer dizer que o usuário esteja com coronavírus.A Vigilância reforça que ao receber a equipe para a realização do exame, a pessoa também é orientada a permanecer em isolamento domiciliar. Ela recebe várias orientações sobre como proceder e as medidas preventivas a serem adotadas, assinando um documento em que deixa claro que está ciente de que ela é uma SUSPEITA de coronavírus e não que tem a doença. “Alguns estão confundindo o documento com um atestado de que a pessoa tem a doença e não é isso. São apenas orientações e um termo de ciência, que reforça a importância de a pessoa permanecer em isolamento domiciliar”, explica Ana Alice Maciel, enfermeira da Vigep.

Obrigado por participar. Comentários podem ter a redação moderada.