Pandemia do coronavírus é apenas um aviso! Por Neiff Satte Alam

“…o preço do fracasso, ou seja, a alternativa para uma mudança da sociedade, é a escuridão…” (Eric Hobsbawm, em A ERA DOS EXTREMOS).

Há uma enorme distância entre o mundo que temos e o mundo que queremos. As lições do século XX ainda não foram devidamente examinadas, muito mesmo e, por isto mesmo, aprendidas…

Erros e acertos; descobertas científicas que fundaram o novo milênio; ideologias contrastantes que conflitaram em Guerras Mundiais; encurtamento do Mundo pós séc. XX; disputa de quem sabe mais, cria mais conhecimento, produz mais armas ou mais alimentos; finalmente quem melhor chega ao século XXI.

O que percebemos é que as armas com ogivas nucleares não são mais o maior perigo, pois a destruição das fundações materiais da vida humana, isto é, o meio ambiente, determinada por outros motivos, que procuram se justificar pelos resultados temporários em cima da destruição de recursos naturais finitos, mas apenas perceptíveis a longo prazo, na maioria das vezes, amedrontam mais que bombas nucleares.

Há, ainda, os rancorosos conflitos ideológicos, fundamentados em teses ultrapassadas, tão comuns na guerra fria entre Americanos (capitalistas e de direita) e os Soviéticos (comunistas e de esquerda), mas que ainda direcionam as cabeças de muitas lideranças nacionais, tanto do mundo Ocidental como do mundo Oriental.

A guerra hoje é de controle do Capital, das Bolsas de Valores, dos que tem dinheiro, independentemente se representaram algum dia o comunismo ou o capitalismo, termos superados pela simples palavra – Mercado!

Se o Planeta não se recuperar destas corrosões, sequelas do século XX, corremos o risco de uma implosão sócio/econômica/ambiental e poderemos perder espaço para organismos primitivos, muitas vezes invisíveis, ou espécies mais adaptadas ao novo ambiente terrestre, resultante de sucessões secundárias, onde o homem não possa encontrar abrigo às suas ambições particulares de controle do ambiente e de seus iguais, constituindo-se, então, em um habitante indesejável à nova organização planetária.

É tempo, entretanto, de revisarmos nossa posição dentro deste novo sistema planetário. Uma revisão de nossa posição dentro da sociedade humana, com uma visão de humanização pró ativa dentro da hominização natural e de nossa posição dentro do sistema ecológico, nesta biosfera em que somos parte e não donos.

Como parte, há que se entender que uma necessária complexidade deverá ser respeitada para que nos harmonizemos com o todo do Planeta Terra.
O século XXI, início do terceiro milênio da era Cristã, só será vencido se as lições não aprendidas sejam revistas e entendidas.

Estamos avisados!!! Logo….

© Neiff Satte Alam é professor Universitário Aposentado – UFPEL Biólogo e Especialista em Informática na Educação

Facebook do autor

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.