Prefeitura irá acionar medidas de atenção hospitalar para os casos graves e medidas restritivas

A prefeitura vem mudando seu protocolo de enfrentamento à Covid-19. Passou agora da fase de contingenciamento para de mitigação, declarada pelo governo estadual, o que implica mudanças nos fluxos de atendimento na cidade, que registrou na quarta e quinta-feiras (25 e 26) os primeiros casos da doença, confirmados oficialmente pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Rio Grande do Sul (Lacen/RS).

A mudança de fase busca evitar a ocorrência de episódios graves e óbitos. Nesta nova fase, apenas pacientes que apresentarem sintomas agravados e estiverem internados serão testados para o novo coronavírus – e não mais todos os casos suspeitos, como era feito antes.]

Desta forma, seguindo orientações do Centro de Operações de Emergências e da Secretaria Estadual de Saúde, a Prefeitura irá acionar medidas de atenção hospitalar para os casos graves e medidas restritivas individuais de isolamento e quarentena domiciliar para todos os casos de quadros de síndromes gripais leves.

Isolamento

O novo protocolo prevê que todas as pessoas com síndrome gripal, diagnosticada pelas unidades de saúde, devem fazer isolamento de 14 dias e procurar a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Areal em caso de agravamento dos sinais, principalmente, se apresentarem falta de ar. Os pacientes que forem orientados ao isolamento domiciliar serão monitorados por profissionais de saúde, a fim de identificarem se houve piora do quadro.

O que fazer em caso de dúvidas?

Acione a central telefônica de orientação, número (53) 3284-7700. O serviço funciona das 8h às 18h ininterruptamente, de segunda a sexta-feira. De sexta até esta quinta-feira (26), 1.737 ligações foram recebidas.

Quais são os protocolos na fase de mitigação?

Pessoas com síndrome gripal* SEM sinais de gravidade

Serão orientadas ao isolamento domiciliar por 14 dias, bem como seus familiares, e recomendadas as medidas de precaução e isolamento.

Pessoas com síndrome gripal* COM sinais de gravidade

Devem buscar o atendimento da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Areal. Se necessário, a UPA irá contatar a Central de Regulação da SMS para regular o leito de internação deste paciente no Hospital Escola, da Universidade Federal de Pelotas, que manterá o acompanhamento de Síndrome Respiratória Aguda Grave e fará o teste para Covid-19 nos casos graves.

Todos os casos serão encaminhados através da UPA Areal, que é a porta de entrada para os casos graves em Pelotas. Os hospitais não aceitarão atendimento direto.

Síndrome gripal

Paciente com febre de início súbito, acima de 37,8 °C, acompanhada de tosse OU dor de garganta, e pelo menos um dos sintomas: mialgia (dor muscular), cefaleia (dor de cabeça) ou artralgia (dor nas articulações), na ausência de outro diagnóstico específico. Nas crianças menores de dois anos, os sinais são febre de início súbito e sintomas respiratórios, como tosse, coriza e obstrução nasal, na ausência de outro diagnóstico específico.

Sinais graves

Síndrome gripal (conforme definição anterior) associada à dispneia (falta de ar) ou a sintomas de gravidade, como desconforto respiratório ou aumento da frequência respiratória (avaliada de acordo com a idade); piora nas condições clínicas de doença de base; hipotensão (pressão baixa) em relação à pressão arterial habitual do paciente; em crianças: além dos itens anteriores, observar batimentos de asa de nariz, cianose (cor azulada ou acinzentada da pele, das unhas, dos lábios ou ao redor dos olhos), desidratação e inapetência (falta de apetite).
Não caia em fake newsLeia as notícias oficiais sobre o novo coronavírus e outros assuntos de interesse público no hotsite e nas redes sociais da Prefeitura de Pelotas: Facebook, Instagram, Twitter e WhatsPel.

Obrigado por participar. Comentários podem ter a redação moderada.