O medo

Chaplin é uma das minhas obsessões artísticas. Talvez este seja um momento adequado para explicar o motivo.

Tenho pra mim que ele entendeu que o medo é nossa emoção básica – a história do bebê que, depois de provar leite, impotente, não sabe se terá acesso de novo ao seio da mãe.

Entender que o medo está na raiz das nossas emoções, e traduzir isso em arte, com delicadeza, acho genial. Ganhou a vida vendendo alegria, um tanto de tristeza, na medida perfeita, embalando tudo em esperança.

Carlitos viveu nas telas, quase sempre, em isolamento.

© Rubens Spanier Amador, jornalista, editor

Facebook do autor

Obrigado por participar. Comentários podem ter a redação moderada.