A cloroquina e o besteirol paranoico. Por Ricardo Rangel

OK. Cloroquina.

1. Testes laboratoriais indicam que a cloroquina surte efeito contra o coronavírus? Sim.

2. Isso significa que ela cura a doença? Não.

3. Por que não? Por que a realidade é diferente do laboratório. Só testes clínicos indicarão se funciona mesmo ou não. Em laboratório, a cloroquina surtiu efeito contra zika, chicungunha e outros vírus; na prática, infelizmente, não funcionou.

4. E por que não há testes clínicos sendo realizados? Claro que há. Inúmeros, no mundo todo, inclusive no Brasil.

5. E quais foram os resultados? Por enquanto, inconclusivos.

6. E o tal pesquisador francês, Didier Raoult? Raoult fez testes sem nenhum rigor científico: a amostra foi pequena, os testes não foram cegos, havia diferenças importantes entre o grupo tratado e o grupo de controle etc. A comunidade científica considera que o resultado é inconclusivo e irrelevante.

7. E esse teste mais recente, em Wuhan? Parece que foi bem feito, mas é muito recente, também com amostra pequena, e ainda não foi revisto pela comunidade científica.

8. Mas o médico fulano de tal disse que é bom. Sem ofensa aos médicos, eles raramente são cientistas. Médico é um profissional de grande valor, cujo ofício é tratar das pessoas usando medicamentos que foram pesquisados e descobertos por outros profissionais; ser médico não dá respeitabilidade a ninguém num assunto tão pouco conhecido quanto a Covid.

9. Mas o pesquisador fulano de tal disse que é bom. Quando o assunto é ciência, opiniões isoladas são irrelevantes; opiniões isoladas erram muito mais do que acertam.

10. Mas não existe um interesse dos laboratórios (ou da esquerda internacional, do marxismo cultural, do João Dória, do George Soros) de esconder a cura para ganhar mais dinheiro (ou para ganhar a próxima eleição, para implantar o comunismo no mundo etc.). Qualquer um que acredite que é possível controlar uma comunidade de milhares de cientistas, de forma que eles aceitem ocultar uma descoberta que salvará milhares de vidas e lhes dará a consagração está maluco. E eu não vou discutir maluquice.

11. Mas um medicamento incerto não é melhor do que medicamento nenhum? Depende, cloroquina é medicamento de toxicidade alta. Para usar uma imagem cara ao presidente, é preciso tomar cuidado para o remédio não ser pior do que a doença.

12. Mas e se o doente estiver às portas da morte? Aí, claro, como não há muito o que se perder, é melhor tentar do que não tentar. Por isso a recomendação era dar a quem está em estado grave.

13. Mas tem gente que diz que se começar cedo aumenta a chance de cura. Sim, tem gente que diz muita coisa. Tem gente que diz que orar e jejuar também é bom.

14. Mas e se o médico quiser prescrever? Uai, pode prescrever. Cloroquina é um remédio legal, nunca foi proibido. Aliás, a receita nem ficava retida. Agora fica, porque o presidente fez propaganda e um monte de gente saiu comprando, e faltou para quem realmente precisa, quem tem malária ou lúpus, por exemplo.

15. Mas não é padrão na rede pública. Nem poderia ser, já que não existe indicação de que funcione. Mas quem quiser, que peça a seu médico e compre na esquina.

16. Por que estamos falando tanto de cloroquina? Porque Donald Trump, de maneira completamente irresponsável, resolveu anunciar ao mundo que a cloroquina é um medicamento de eficácia 100% comprovada, o que é mentira da grossa. Isso o ajuda a manter a polarização permanente e estimular o antiintelectualismo característico de seu eleitorado ressentido. E Jair Bolsonaro copia Trump em tudo.

17. Por que tanta gente acredita em Trump e Bolsonaro? Porque i) se acostumaram a raciocinar de forma binária e rasa, ii) estão com medo, e o medo leva as pessoas a acreditar em curas milagrosas, por mais improváveis que elas sejam, iii) existe uma parcela de gente não muito brilhante, que acredita em rigorosamente qualquer mentira que pilantras como Trump e Bolsonaro contem.

18. Quer dizer que não há nada oculto nessa história da cloroquina? Sim, há. O que está oculto é que, ao convencer a população de que a Covid pode ser facilmente curada com cloroquina, Bolsonaro as convence a sair do isolamento, pois assim, em sua cabeça, a recessão será menor e não atrapalhará sua reeleição.

Bottomline. Se a cloroquina tivesse mesmo eficácia comprovada, estaria sendo recomendada pelos cientistas e haveria um protocolo para seu uso no tratamento médico. O resto é besteirol paranoico. Se você está repetindo o besteirol como um papagaio, pare. Pega mal para você.

© Ricardo Rangel

Face do autor

1 thought on “A cloroquina e o besteirol paranoico. Por Ricardo Rangel

Deixe uma resposta para Pedro Cancelar resposta