Tirando a bunda da cadeira

Meio esquisito o que vou dizer. Falo com base na experiência de jornalista.

Uma frase um pouco cruel seria dizer: “Nada como uma pandemia para fazer as autoridades tirarem a bunda da cadeira”.

Não chego a tanto, ser grosseiro.

O fato é que o vírus inseriu uma emergência comportamental que, em meio ao lado b, desacomodou a mediocridade e a burocracia.

Nunca se viu as autoridades executivas tão preocupadas com a sociedade, tão afiadas em suas decisões, tão empenhadas em encontrar soluções para os problemas.

Chega a ser bonito, comovente.

Há uma ironia na coisa toda. O fato de que, enquanto a autoridade é obrigada a se mexer da cadeira, nós, em quarentena, assistimos à movimentação dela, ainda que o recolhimento seja uma contribuição nossa.

Uma observação extra: nunca um vereador pareceu tanto quanto o que ele é, uma pessoa fora do contexto, sem nada para contribuir de efetivo, em termos práticos, com a situação.

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.