O herói voltou

Já vi Moro como herói. Quando aceitou o cargo de ministro da Justiça, duvidei.

A figura do herói é trágica, e ele começou a se dar bem demais para um herói clássico.

Hoje é chamado de Judas, o traíra.

Como a traição é comum na política, é um pouco injusto.

Em geral, o que se cala prova que entende a natureza do negócio, para este a porta sempre estará aberta.

O que faz voltar a admirar Moro é o fato de ter fechado a porta, em vez de mantê-la encostada.

Hoje ele disse: “Há lealdades maiores do que as pessoais”.

Poderia ter ficado quieto, de olho numa vaga no STF. Mas algo fez com que se negasse, eis o ponto.

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.