Luz, mais luz …

Havia um silêncio, uma calma matinal que precede o nascer do sol. A floresta parecia sem vida, como se fosse uma tela renascentista a espelhar o profundo sem decifrar o visível.

Neste ambiente semiclaro, molhado de orvalho, surge o primeiro raio de sol. A vida parece explodir em sons, cores e movimentos. O verde parece mais verde. A sonoridade do canto dos pássaros disputa beleza com os reflexos multicoloridos de raios de luz que se projetam sobre e através de gotículas do orvalho que, frio, aquece o cenário. A vida nasce de dentro da floresta que a possuía latente, mas necessitou da luz para mostrar-se em toda a sua beleza e abundância.

Este é o limite entre o “não saber” e o saber, entre a mera informação e o conhecimento a partir desta informação, esta é a luz que, sob a ação mágica do professor, dá vida às inteligências que pedem para eclodir, anseiam por aprender e crescer, desde os pequenos aprendizes até os adultos que com esforço e dedicação buscam, na idade adulta, conhecimento e inclusão definitiva como cidadãos.

Esta busca de um futuro que permita harmonização e integração com a natureza e com as outras só pode ocorrer através de um sistema em que o professor realize sua tarefa com afinco e competência.

Embora a visão poética de dar luz às trevas do pensamento, representada pela ignorância, a realidade da tarefa é de uma dureza e dificuldades que termina por derrotarem muitos destes combatentes que, cansados, desestimulados ou atraídos por tarefas mais fáceis de serem executadas ou mais rendosas, terminam por abrir lacunas nas fileiras de batalha por uma educação de qualidade.

De qualquer forma, luz, conhecimento e sabedoria terminam por se completar, não por conceitos, mas por uma intuição milenar de que a melhor maneira de se combater a ignorância é iluminando as mentes dando significado a informação aí posta e a transformando em conhecimento. Esta é a tarefa do professor.

A noosfera somente se enriquecerá se a aura de pensamento individual estiver fortalecida, contribuindo, desta maneira com o fortalecimento da esfera universal de pensamentos, pois nossa aura de pensamento sobrevive ao nosso corpo material e permanece viva e produtiva ao se somar a todas as demais, alimentando o mundo de sabedoria, que nos envolve e que precisa ser permanentemente descoberto a cada momento em que um professor põe luz no caminho do saber de seus alunos, iluminando o trajeto difícil que separa o passado do futuro em uma caminhada que não se faz no escuro, pois, neste caso se perderia o rumo e o sentido da vida que é evoluir na busca de realização pessoal para auxiliar os outros nas suas caminhadas…com luz, muita luz …

Neiff Satte Alam é professor Universitário Aposentado – UFPEL Biólogo e Especialista em Informática na Educação

Facebook do autor

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.