‘Contribuições à visão da Villa XP’. Por Fabiano de Marco, cliente da empresa

Artigo publicado originalmente no site da ADIT Brasil

Conheci a XP em 2004, ao participar de alguns cursos presenciais em Porto Alegre, no Blue Three Towers, um deles ministrado pelo próprio Guilherme Benchimol, para 20 alunos. Eles eram os únicos a oferecer ensino, e eu, cursando economia e contando com um “mãetrocínio”, viajava 500km para desvendar os encantos do mercado de capitais. Desde então sou um torcedor da XP.

Foto dos fundadores Guilherme e Marcelo extraída do link.

Em 2020, com a quarentena, dediquei algum tempo a rever minha relação com os bancos. Encerrei uma conta de 20 anos no BB e passei a contar com os serviços da XP, para investimentos, e do C6 Bank, para a conta pessoal digital e gratuita.

Dos cursos presenciais à Ceo-Founder da sucessora dos bancões, meu sentimento pela Liderança na XP não poderia ser de maior admiração. Fiquei feliz quando assisti a um dos últimos comerciais da empresa no cinema, pois foi #naraça mesmo!

Nos últimos dias acompanhei as manifestações polêmicas sobre o ebook anunciado pela XP, segundo a própria empresa, “uma obra de ficção”. Primeiro me detive em uma postagem no linkedin do Anthony Ling, estudioso das cidades, em artigo divulgado na Veja/SP, depois outro artigo, do Otávio Zarvos, code-breaker da Vila Madalena, mais outro e, por último, uma divulgação no Brazil Journal. A XP, como sempre, mesmo durante a pandemia, liderou mais uma pauta que muito me aguça: cidades e real estate. Foi então que busquei conhecer o tal ebook e compreender melhor a polêmica envolvendo a Villa XP.

Logo no prefácio, as palavras “trabalho remoto”, “mudança”, “estilo de vida”, “estado de espírito”, “engajamento”, “experiência”, “qualidade de vida”, “geração de valor”, “apinhados em filas”, “edifício-garagem” indicam a lucidez no diagnóstico do timoneiro e nos levam ao entusiasmo pela leitura.

A visão de uma Villa XP, na minha opinião de cliente e entusiasta de cidades, destoa da cultura da empresa e do ponto de vista urbanístico, desconsidera pontos importantíssimos. Na tentativa de ser didático e abrangente, analisei o tema por três ângulos: (i) o conceito de escritório; (ii) a localização atual e (iii) cultura.

O conceito de escritório

O modelo de escritório em lajes e conjuntos, produzido atualmente, é o mesmo desde antes da invenção do telefone celular e da internet. Nossos prédios são do tempo do “preciso falar contigo, mas pessoalmente”, frase que no meio empresarial hoje soaria ridícula. Mas não é de agora e não foi a pandemia que provocou mudanças na forma de ver o mundo do trabalho. Foi, antes, a internet, o smartphone, o webinar, a videoconferência, a velocidade e o imediatismo de comunicação, a expansão das redes sociais, a racionalização de custos e uma nova visão do ambiente e da importância dos bens materiais.

Não foi a XP a primeira empresa a adotar o trabalho remoto. Correspondentes de jornais impressos e até clans de gamers, mesmo antes da invenção do modem 56kbps, já se relacionavam remotamente. A XP está, isto sim, incorporando o “efeito COVID” como catalizador interno de mudanças comportamentais decorrentes da tecnologia que já estavam em vigor.

São Paulo experimenta o “novo normal” há anos e exemplifico, inicialmente, com a REGUS, depois com o DISTRITO MAKERS, CUBO e, mais recentemente, com o STATE, todos lugares onde os assuntos colaboração, criatividade, networking, flexibilidade, expansividade, descentralização, trabalho remoto e terceirização são pautas antigas e assimiladas.

Fotografia do State, retrofit em pavilhão da votorantin, extraída do link.

A localização atual

A XP, embora tenha democratizado a educação financeira dos brasileiros, posicionando-se como rompedora de paradigmas, escolheu habitar um ícone modernista, ostentando o metro quadrado mais caro da cidade de São Paulo, comportamento tradicional similar ao dos bancões, uma “estampa de riqueza e poder”, até então entendida como indispensável na formação de confiança nas marcas. Parece que agora perceberam, não tão cedo quanto sugere o ebook, a irrelevância do luxo material e conceitual e enxergaram o incremento de competitividade ao reduzirem custos com aluguel, mobília, IPTU, condomínio, luz, água, internet, café, suprimentos, faxina e demais custos fixos envolvidos numa operação presencial, sem contar a vantagem tributária (iss) fruto da mudança no domicílio fiscal.

PUBLICIDADE

Internados residentes de Pelotas

Legenda: Fotografia do Triple A da empresa extraída do link.

Ficar em casa escancarou o desperdício na mobilidade de seus colaboradores. Sobrou tempo para, além de trabalhar, ler, correr, viver e se divertir. Todos nós estamos nos adaptando a produzir remotamente, e gostando. É elogiável a capacidade de adaptação, qualidade que está no DNA da XP. Por isso, outra vez, a empresa saiu na frente ao declarar adesão ao trabalho remoto. A XP remota é mais ‘sexy”, como se diz no jargão “startupeiro”, e, enquanto os bancões iniciam o fechamento de algumas agências, a empresa trata de eliminar de uma vez o office por completo.

De fato, não faz sentido acordar cedo, vestir o colete e dirigir por horas para fugir dos onerosos aluguéis oferecidos no entorno do portentoso triplo A da empresa. É tempo perdido (money), e isso empresários não toleram.

Cultura

Um time de colete circunscrito em 12.000m2 de área locada, como ocorre na XP, funde os comportamentos numa cultura fruto das interações diárias, vivenciadas fisicamente, forjando ao longo dos anos uma identidade conhecida como cultura empresarial. Separar estas pessoas da noite para o dia e ainda contratar novas, sem jamais terem convivido no mesmo ambiente de trabalho, leva a uma segunda reflexão: Como preservar a cultura empresarial com todos os colaboradores espalhados remotamente? Como plasmar uma marca sólida, confiável, sem sede física? A reflexão seguinte sugere um prédio icônico, um dissipador cultural, lugar de treinamentos, encontros, muito mais voltado a manter a chama corporativa viva e crescente do que um lugar para sentar, abrir o notebook e responder emails. Mais um ponto positivo para o timoneiro, mas onde e como materializar a cultura?

Ao que tudo indica este ícone acontecerá em terras da JHSF, a empresa mais exclusiva e elitizada de São Paulo, lugar onde ninguém usa colete, camiseta ou tênis. Uma marca posicionada no topo da pirâmide, onde vôo fretado e aeroporto privado se viabilizam. Os clientes da desenvolvedora desfrutam de um seleto e restrito networking de idade madura, com extrema privacidade.

Fotografia da empreendimento JHSF extraída do link.

A XP que conheço nasceu em turmas de 20 alunos, uma gurizada em Porto Alegre que usa colete, convive e educa milhões de “jovens de todas as idades”. XP e JHSF são excelentes empresas, com enorme portfólio, capacidade de realização, marca e inegável sinergia, a primeira com enorme capacidade de construção e a segunda com um canhão de captação financeira.

Fotografia do time XP na Nasdaq originalmente publicada no link.

Mas seria este o local representativo da Cultura da XP?

Diz assim o ebook: “A Villa XP foi pensada para estimular a convivência das pessoas”. “A troca de conhecimento ganha um lugar de destaque na Villa XP.” Aí começam as primeiras manifestações divergentes. Aos olhos dos urbanistas, convivência e troca pressupõem densidade populacional, diversidade, riqueza cultural, tudo o que NÃO acontecerá em 500.000m2, mesmo quando presentes, simultaneamente, os 2.700 funcionários da empresa. Ainda que levassem para a área suas famílias, não gerariam qualquer adensamento populacional. A área da JHSF pode ser, além de um excelente negócio, um retiro espiritual, um clube private para grandes investidores, um belo veículo para alocar os recursos dos FIIs, mas dificilmente proporcionará os desejados encontros ocasionais, que os urbanistas denominam Balet das Ruas, principal ingrediente do estímulo de convivência e intercâmbio de conhecimentos.

Fotografia de encontros ocasionais em ambiente urbano originalmente publicada no link.

Além da inexistência de densidade humana, faltará diversidade. Cidades prosperam pelas trocas culturais. Já a crença de uniformização de pessoas, a começar pela padronização estética dos coletes, é a antítese da criatividade, detectável nos parques tecnológicos mundo afora, estes sim, mecas da inovação, onde nos deparamos com diversidades criativas e culturais na forma, por exemplo, de tatuagens, piercings, moicanos e múltiplas cores.

Fotografia de Diversidade em ambiente de inovação originalmente publicada no link.

Eu, cliente da XP, iria a São Roque jogar tênis? Conhecer o hotel da JHSF? Entrar na redoma 4D para ver a história do Guilherme e depois cair na Lojinha do colete e da biografia? Não, isto eu faria ao visitar a Disneyworld, logo depois da montanha russa. Cairia na lojinha da Moet Chandon depois de um passeio por Reims. A visão da Villa XP em alguns momentos me lembra as estratégias para ancoragem de multipropriedade e resort. São Roque não é destino turístico e atração de público, não é o business da XP.

Fotografia de lojinha de souvenirs da Disney originalmente publicada no link.

A ideia de uma Villa com caráter social e esportiva soa muito familiar a antigas sedes campestres de indústrias, inclusive dos bancos mais tradicionais, justamente um caminho e posicionamento opostos ao trilhado até agora pela XP.

Fotografia da Sede social do Banco do Brasil originalmente publicada no link.

A cidade de São Paulo pode ter todos os defeitos de segurança, mobilidade, disputa por espaços exclusivos, mas de cultura e capital intelectual ela é abundante. E disto a XP não deveria se afastar. Têm razão o Ling e o Zarvos quando apontam para o centro da cidade. A Regus, essa sim, há anos experimentando as tendências em office e home office, poderia orientar a XP a se aproximar dos seus colaboradores em estruturas menores, igualmente voltadas para experiência e cultura, mas com mobilidade e alugueis no entorno acessíveis. São Paulo precisou de um francês para adquirir o Hospital Matarazzo, vizinho do MASP, e nos dizer: “Não há luxo sem cultura”.

Perspectiva digital do projeto Cidade Matarazzo originalmente publicada no link.

Temos o edifício Martinelli à espera de uma PPP para revitalizar o Rooftop e desenvolver um novo ponto turístico para São Paulo. Por que não retrofitar a antiga sede de um bancão? Certamente o Rooftop do Martinelli geraria mais fluxo e valor para a marca, principalmente cultural, do que a redoma 4D.

Fotografia do Edifício Martinelli originalmente publicada do link.

Por sinal, o bar do cofre poderia ser a XP! Aliás, são infinitas as potencialidades para a XP fincar sua bandeira, difundir sua cultura e fomentar share of mind.

Fotografia do Bar do Cofre originalmente publicada no link.

O que a XP sempre fez melhor do que os bancões e precisa continuar fazendo é se aproximar dos clientes e potencializar a cultura já existente na cidade. Afinal de contas, seus clientes estão e continuarão na cidade.

Embora a princípio não pareça, fugir de São Paulo é mais difícil do que melhorar São Paulo.

Aliás, na quarentena, assistindo gratuita e remotamente ao professor de Harvard Edward Glaeser, fiz algumas anotações cuja reprodução vem a calhar neste momento: “Cidades que funcionam são lugares que nos tornam mais inteligentes estando perto de outras pessoas inteligentes”. E ainda: “Um ecossistema com várias empresas pequenas é mais eficiente do que a concentração em empresas grandes”. E por fim: “As cidades são a maior invenção da humanidade”.

Como cliente XP e admirador da JHSF, recomendaria na área a continuidade da visão da desenvolvedora, reforçando o caráter exclusivo, elitizado e suburbano do local, proporcionando aos investidores profissionais da XP uma experiência de consumo diferenciada. A chancela da XP e principalmente a sua capacidade de captação de recursos catapultariam o empreendimento, confirmando o excelente investimento imobiliário e tornando-o acessível aos pequenos e médios investidores da corretora.

Mas a chama da empresa, a sua cultura, preservaria no coração da cidade de São Paulo, não por dever social, mas por acreditar no resultado do investimento quando alocado em um ecossistema criativo e diverso como só a cidade de São Paulo oferece. Neste sentido, endosso as manifestações de extrema credibilidade e boas intenções que tenho visto, vozes que só emergem numa cidade plural e muito contribuem com a visão da empresa para seus próximos passos. Conhecer o seu buddy, fazendo uma referência ao ebook, será sempre melhor nos botecos e esquinas da cidade.

Fabiano de Marco é Cliente XP, advogado, sócio da Idealiza Urbanismo e Diretor do Sindicato da Indústria da Construção e Mobiliário (Sinduscon) de Pelotas e Região.

 

2 thoughts on “‘Contribuições à visão da Villa XP’. Por Fabiano de Marco, cliente da empresa

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.