O tal jornalismo funerário

Na personalidade do jornalista, acredito, predominam os genes da curiosidade e da indignação, uma ânsia vaga por “justiça” que muitas vezes tem a ver com a própria experiência, com alguma dor pessoal. Pode ser simplista, já que os humanos são complexos, mas creio nisso.

Passamos os dias procurando “furos”, nos mais variados sentidos: a primazia de noticiar (furar os colegas, no jargão jornalístico), o espírito detetivesco de localizar o furo na história bonita, mas mal contada, porque, para nós, “não há perfeição”. O problema é que nem todos seguram o furor por aí, querendo também ferrar os outros. Não pode ser assim, porque o jornalista acaba com o papo envenenado.

Quando há ódio, não há jornalismo. A sociedade é imperfeita. O homem é precário. As pessoas são contraditórias. Todo mundo erra. Quando um jornalista começa a tratar as pessoas como se não pudessem ser humanas, algo não vai bem com ele.

Vejo aqui e ali um certo prazer no estardalhaço em dar a má notícia, como se fossem ativos participantes de um Carnaval mexicano, e diria que a motivação tem a ver com questões emocionais mal resolvidas, uma necessidade de “encontrar um culpado por algum crime”, com frequência a autoridade pública, em quem, de repente, são projetadas todas as responsabilidades por tudo que ocorre e não ocorre.

Em geral, o que move o jornalista e o gestor público possui naturezas opostas. O segundo vive de segredos, o outro, de revelá-los. Como Tom e Jerry, são incompatíveis. Mas daí a querer sentenciar de imediato todos os gestores, em vez de registrar a história, há um flagrante equívoco.

1 thought on “O tal jornalismo funerário

  1. Bom dia.
    Parabéns Rubens, poucas vezes os jornalistas olham para dentro de si, apenas apontam os erros dos demais sem ponderar o contexto.
    O resultado, no mais das vezes é uma opinião parcial e não propriamente uma reportagem. Essa situação inclusive tem me afastado dos meios de comunicação, apesar de gostar de estar sempre bem informado.
    Abraço.
    Diogo de Albuquerque Jacques.

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.