Prefeitura assegura que transporta exames de covid em veículos próprios

A prefeitura mandou release informando que o transporte dos exames de covid, analisados pelo Laboratório Central do Estado (Lacen/RS), é feito em veículos adaptados e por profissionais preparados para a missão que define o rumo da vida de quem procurou atendimento médico com sintomas gripais.

No começo da semana, o governo do estado informou que, para ser mais rápido, o transporte entre Porto Alegre e vários municípios passaria a ser feito em ônibus intermunicipais – Pelotas entre eles.

A Prefeitura de Pelotas montou uma estrutura própria, a partir de protocolos sanitários, para garantir a segurança e a agilidade da entrega do material coletado de moradores do Município. 

Um furgão e uma camionete são os veículos que realizam as viagens diárias a Porto Alegre para entregar as coletas realizadas nas casas de pacientes – que passaram por unidades de saúde e tiveram indicação para a realização do exame PCR, feito a partir de secreções nasais e da garganta, ou realizadas em hospitais-referência para o tratamento da Covid. De acordo com o diretor de Vigilância em Saúde, Franklin Mendonça de Souza Neto, a opção por realizar o transporte dos exames foi feita pela necessidade de tornar mais ágil o envio do material para análise no Laboratório. 

” Chegamos a falar com empresas que não garantiam a entrega no mesmo dia, já que o Lacen encerra as atividades no fim da tarde. Então, para proporcionar agilidade ao processo, principalmente para os casos de pacientes internados, optamos por transportar o material “, explica o diretor.

Em média, por semana, têm sido transportados cerca de 200 exames para coronavírus, além de testes realizados para outras doenças. Os veículos saem de Pelotas nas segundas-feiras pela manhã e, nos demais dias da semana, por volta das 13 horas. As viagens também tem ocorrido nos fins de semana, devido ao aumento do número de coletas realizadas desde junho.

“Transportamos o material coletado na tarde do dia anterior e o da manhã. Juntos, os veículos têm capacidade de levar em torno de 500 amostras. Se forem feitas duas viagens por dia, com cada carro, temos uma capacidade de entregar mil exames durante o horário de funcionamento do Lacen/RS”, garante Souza Neto.

Autorização e transporte seguro

Para o transporte dos exames, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) necessitou autorizar o serviço junto à Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), já que a carga pode causar contaminação, além de adaptar os veículos. “O compartimento de carga precisou ser isolado do motorista, foi feita a instalação de placas sinalizando o transporte de risco e de substância infectante, e também adquirimos ferramentas obrigatórias”, explica o diretor. 

A equipe da Vigilância em Saúde, além de cumprir a legislação ambiental, que determina a colocação das amostras em três recipientes protetores, sendo o último uma embalagem térmica capaz de manter a temperatura entre 2 e 8 graus, também construiu uma caixa de madeira para imobilizar o material durante a viagem. “Percebemos que o volume fica instável com o balanço do carro na estrada. Então, como mais uma proteção, construímos uma espécie de baú, capaz de manter as coletas seguras até o destino”, explica o responsável pela frota da Vigilância Epidemiológica, Claiton Borges.

Os motoristas foram capacitados no curso de Movimentação Operacional para Produtos Perigosos (MOPP) e receberam equipamento completo de proteção – botina, capote, propé, luvas, protetor facial, máscara N95, touca, óculos de visão ampla, luvas de segurança, para realizar o serviço. 

Procedimento de segurança

Ainda em Pelotas, o material passa por averiguação da Vigilância Epidemiológica antes de ser preparado para a viagem. 

“Realizamos a conferência das amostras para confirmar os dados que serão inseridos no Gerenciador de Ambiente Laboratorial (GAL) – programa que registra todos os exames encaminhados para o Lacen”, relata Carmem Viegas, chefe da Epidemiologia local. 

Em seguida, os tubos, nos quais é armazenado o material biológico coletado dos pacientes, são envelopados em sacos plásticos com fechamento “zip lock”, e acondicionados nas caixas térmicas para a viagem. Até o dia 22 de julho, o Lacen já havia emitido 1.379 laudos de exames para coronavírus feitos em moradores de Pelotas.

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.