“Não vi nenhuma outra cidade chegar a este ponto de arbítrio”

Rodrigo Sousa Costa, produtor rural e vice-presidente da Federasul, criticou nas redes sociais o lockdown em Pelotas:

“Não vi nenhuma outra cidade chegar a este ponto de arbítrio, de proibir pessoas de saírem às ruas, de proibir de dirigir o próprio carro e estar sujeito a ser parado por servidores armados para explicar o que está fazendo, se teu familiar coabita contigo, para justificar onde está indo, para alguém decidir se pode ou não.

Rodrigo Sousa Costa

Esta medida, completamente equivocada, provocou aglomerações até às 20h de sábado, aumentou drasticamente os contatos com o vírus e, depois, confinou os infectados com seus familiares até terça-feira.

Vejo como um total absurdo e desrespeito aos cidadãos, criando uma casta de servidores públicos que podem permanecer dentro da normalidade pública, regrando a família dos outros, enquanto o ‘resto’, que somos nós, foi condenado à prisão domiciliar, se ficasse em Pelotas.

O grau de alienação deste decreto me choca.

Torço para que não tenhamos enfrentamentos de jovens com servidores despreparados. Torço pra que não haja violência e mortes no domingo do Dia dos Pais.

Como pelotense, tenho vergonha do abuso que estão cometendo, tratando adultos como incapazes, pessoas de bem como marginais…

5 thoughts on ““Não vi nenhuma outra cidade chegar a este ponto de arbítrio”

  1. Com todo o respeito que merece a Prefeita, que até aqui vinha fazendo ótimo trabalho, entendo que o toque de recolher por três dias é um desserviço à população e um favor ao vírus. Quando se recolhe compulsoriamente a população reduz-se a contaminação interfamílias, e estimula-se a contaminação intrafamílias. E por isso o lockdown SÓ FAZ SENTIDO se durar 14 dias (ou no mínimo uns 7 ou 10 dias, como feito na Itália), de forma que qualquer contaminação trazida para dentro de casa tenha tempo de “amadurecer” e se manifestar. Neste caso, como Pelotas permitiu grandes concentrações na véspera (o comércio estava abarrotado), cada pessoa pode ter trazido algumas “sementinhas” para casa, é o danadinho terá agora três dias de famílias concentradas em frente à TV para fazer a festa. Vai ser uma beleza: em cada sala uma Corona-Fest. E na terça-feira gorda todos sairemos novamente à rua (ainda sem sintomas) contaminando mais e mais gente.
    É lamentável que uma prefeita tão competente, como a Paula, tenha caído numa cantilena típica dos “cientistas do Aquárius”.
    Fazer o quê?

  2. Eu acho um absurdo, ignorância da prefeitura. Quebram o comércio, pessoas sem emprego, ajuda de 600,00 um mês vem e o outro não. Gastos com hospital campanha sem nunca usarem. E o pior nunca pensaram na saúde mental, por causa disto quantos suicídios houve em nossa cidade; inclusive de uma enfermeira. Pelotas infelizmente não tem uma boa administração em casos de pandemias. São pessoas perdidas e sem noção do que fazem.

    1. Carmem, as cidades do mundo que fizeram Lockdown, fizeram no início da pandemia, para conter a curva de contágio. Adotar esta medida passado 5 meses, mostra a total incompetência da gestão pública desta cidade.

      A prefeitura recebeu repasses adicionais da união, valores que não foram investidos em leitos de UTI. A prefeita gastou milhares de reais em um hospital de campanha que não foi utilizado e foi fechado as vésperas do Lockdown por falta de pacientes.

      Este Lockdown talvez seja necessário para a saúde, mas é um absurdo a repassar a conta da incompetência para população.

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.