E Deus ajustou os óculos e espiou os sites de notícias

Deus se espreguiçou, esfregou os olhos e verificou a hora no rádio-relógio: caramba! Tinha tirado uma soneca ao sétimo dia, depois de uma maratona extenuante, e acordava agora, 7h57 da manhã, quase 14 bilhões de anos depois.

Lavou o rosto, preparou um café bem forte para acompanhar o maná, o leite e o mel, ajustou os óculos e foi dar uma espiada nos portais de notícia.

Flordelis. Não, não era do seu tempo, definitivamente. Cristã, 55 filhos (“Essa levou a sério o ‘crescei e multiplicai’!”), uma peruca suspeitíssima e… peralá: matou o marido porque a lei de Deus não permite a separação.

– Eu disse isso? Mata, mas não separa?

Tinha mais. O marido era um dos filhos. Ex-genro. Frequentavam casa de suingue. Amante de uma das suas filhas-irmãs. Sobreviveu a quatro tentativas de envenenamento pela própria esposa-mãe-sogra-sócia. Uma filha-irmã pesquisara no gúgol “Assassino onde achar”. Não achou (o Uber Kills ainda não está em funcionamento). Acabou abatido a tiros numa operação que envolveu 6 dos filhos-irmãos e um neto-sobrinho.

Flordelis, mandante do assassinato do marido-filho-genro e cafetina de uma das filhas, não queria “escandalizar o nome de Deus”.

Claro que há outros deuses, milhares deles. Mas esse Deus com maiúscula, mencionado por uma evangélica, só podia ser Ele.

– Meu Eu mesmo, o que é que está acontecendo?

Rolou a tela. Padre Robson. Cara de subsíndico. Responsável pela Romaria do Pai Eterno (“Eu!”), com 3 milhões de participantes por ano. E também responsável por apropriação indébita, falsificação de documentos, sonegação fiscal, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

Movimentou mais de R$ 2 bilhões, desviou pelo menos R$ 120 milhões, comprou uma fazenda, uma casa de praia e gastou quase R$ 3 milhões pagando o chantagista que tinha sido seu amante.

Deus coçou o triângulo que flutuava sobre seu cocuruto. Pensou em mandar um zap para Alá, mas o Misericordioso tinha desativado as notificações depois de saber da Al Qaeda, do Talibã e do Boko Haram. Passava os dias sentado, com o olhar perdido na direção de Meca, sem sequer olhar para o celular.

Quem sabe um call pelo Zoom com Tupã, Oxóssi e Elvis, mas já sabia o que ia ouvir. Brahma e Izanami com certeza reclamariam por causa do fuso horário. Talvez uma ida a um centro espírita celestial para se consultar com Zeus, Odin, Enki, Osíris e Quetzalcóatl, mas…

Ocorreu-lhe uma solução. Já tinha feito algo parecido antes, um rebute, um Format C: – mas desta vez não daria espóiler a nenhum humano, nem disponibilizaria tutorial de como construir arca nenhuma.

Olhou de novo para os lábios carnudos de Flordelis, para o olhar oblíquo e dissimulado do padre Robson. Onisciente, lembrou-se de João de Deus, do Malafaia, do arcebispo de Boston, do Apóstolo Valdemiro.

O café tinha esfriado na caneca e as formigas celestiais acabavam de descobrir o mel e o maná e batiam as antenas freneticamente, em êxtase quase místico.

Deus pensou nas calotas polares. Se acelerasse o derretimento… Pensou na imensa quantidade de vírus ainda isolados nos seus nichos. Nas queimadas. No politicamente correto. Nas novas safras de duplas sertanejas. Arrancou da tomada o computador, sem sequer fechar os programas abertos. Voltou para o quarto, pegou o vidrinho na mesa de cabeceira, pingou na língua 15 gotinhas de rivotril, murmurou “Comigo me deito, comigo me levanto…” e não chegou a terminar a oração. Mais 14 bilhões de anos sem aborrecimentos estavam garantidos.

Eduardo Affonso é colunista de O Globo e, a pedido nosso, autorizou o compartilhamento, aqui, de seus posts no facebook.

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.