Eleição pelotense reinsere a possibilidade de 2º turno

Atualizado às 18h20 de 17/09.

A eleição passada foi um passeio para a tucana Paula Mascarenhas. Sem candidatos identificados com a chamada “direita”, seja lá o que queira dizer em termos municipais, todos os votos desse espectro, em tese conservador, presente em todas as classes sociais, caminharam para a candidata mais próxima, Paula, do PSDB, de centro.

Embora de centro-esquerda, em 2016 Paula encarnou a opção mais conservadora possível no cardápio dos candidatos de então. Levou todos os votos da direita ao centro, mais os do centro e mais os votos de eleitores identificados com a esquerda, porém decepcionados com esta por causa da Lava Jato e suas consequências.

Com os candidatos de então, o único resultado possível, como o Amigos adiantou, foi o que aconteceu: Paula venceria no primeiro turno.

Neste 2020, a situação é diferente. Os eleitores conservadores, à direita, terão duas opções anteriores à Paula para depositar seu voto, Fetter Jr., do PP, e Fabrício Matiello, do MDB. Com essas candidaturas, e segundo o Teorema do Eleitor Mediano, espera-se que Paula perca para Fetter e Matiello fatias de votos conservadores que recebera em 2016, inclusive porque, como não são radicais ideologicamente, Fetter e Matiello terão apelo entre os eleitores de centro.

Por sua vez, a esquerda, que na eleição passada estava castigada pela proximidade da Lava Jato, agora, mais distante daqueles eventos, pode voltar a apresentar um desempenho melhor nas urnas.

O mapa eleitoral, hoje mais equilibrado, reinsere a possibilidade de segundo turno.

Em tese, a eleição para os tucanos ficou mais difícil.

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.